Rússia saúda "nova etapa na colaboração" com EUA

A operação que levou ao fracasso um complô para contrabandear um míssil para terroristas baseados nos EUA marcou ?uma nova etapa na cooperação? entre os serviços de inteligência dos EUA e da Rússia, inimigos durante a Guerra Fria, disse nesta quarta-feira um funcionário de inteligência russo. Os agentes russos avisaram o FBI sobre as atividades de um britânico de origem indiana que, segundo disseram, tentava comprar armas em São Petersburgo. Meses depois - exatamente ontem -, um homem foi detido em Newark, no estado de New Jersey, onde supostamente tentava finalizar a transação. A operação foi resultado da cooperação entre os serviços secretos da Rússia, Grã-Bretanha e EUA, disse Sergei Ignatchenko, principal porta-voz do Serviço Federal de Segurança, o sucessor da KGB. ?É a primeira vez em que houve tal cooperação desde o final da Guerra Fria, durante a qual nossos serviços trabalhavam em confronto?, disse Igantchenko em Washington, informou nesta quarta-feira a agência de notícias estatal russa. ?Esta ação marca uma nova era no desenvolvimento da cooperação entre os serviços especiais desses países?, acrescentou. Funcionários americanos disseram que o suspeito planejava vender um míssil Igla SA-18, capaz de derrubar um avião comercial, a um homem que ele acreditou ser um terrorista.O comprador na verdade era um agente do FBI e a arma era uma cópia desativada do míssil levada à Rússia a bordo de um navio para parecer tratar-se de um negócio real, disseram funcionários americanos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.