EFE
EFE

Rússia toma primeiras medidas para normalizar relações com Turquia

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, conversou com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, por telefone, e eles acertaram um encontro. Os dois deverão se reunir durante a cúpula do G20, na China, no início de setembro

O Estado de S. Paulo

29 Junho 2016 | 20h26

MOSCOU - A Rússia iniciou nesta quarta-feira, 29, a normalização de suas relações com a Turquia, após meses de uma grave crise diplomática iniciada no ano passado, quando um caça russo foi abatido pela aviação turca na fronteira com a Síria. 

Hoje, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, conversou com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, por telefone, e eles acertaram um encontro. Os dois deverão se reunir durante a cúpula do G20, na China, no início de setembro. 

A melhora das relações entre os dois países, após meses de intensos ataques verbais, ocorre depois que Erdogan enviou, na segunda-feira, uma carta a Putin para apaziguar a tensão. Essa atitude permitirá “retomar o trabalho comum sobre os problemas regionais e internacionais”, reconheceu o Kremlin em um comunicado.

O primeiro sinal de distensão ocorreu imediatamente. Putin ordenou o levantamento das sanções contra a Turquia no setor turístico e o início da normalização das relações comerciais entre os dois países.

A crise também fez com que o projeto de gasoduto TurkStream fosse adiado. Esse gasoduto deveria fazer o gás russo chegar à Europa através do território turco, evitando a Ucrânia, principal país de trânsito gasífero, palco, no leste, de um conflito armado entre forças ucranianas e rebeldes pró-russos.

Pouco antes de telefonar para seu colega turco, Putin expressou suas condolências ao povo turco após o triplo atentado no aeroporto internacional de Istambul. 

A conversa telefônica foi o primeiro contato direto entre Putin e Erdogan desde que em novembro um piloto russo morreu depois que seu caça foi abatido pela aviação turca sobre a fronteira sírio-turca. 

A Turquia afirmou que o avião entrou em seu espaço aéreo e ignorou várias advertências, o que a Rússia negou. O incidente provocou a grave crise entre os dois países. / AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.