Oficial Kremlin/PR
Oficial Kremlin/PR

Usuários pedem no Twitter para Bolsonaro se calar sobre Rússia

Logo após Vladimir Putin autorizar a invasão da Ucrânia por tropas da Rússia, usuários do Twitter no Brasil passaram a pedir para que o presidente do Brasil evite se manifestar sobre o conflito no leste europeu

Davi Medeiros, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2022 | 08h15

Após a invasão da Ucrânia por tropas russas e enquanto a tensão bélica entre a Rússia e o país vizinho se intensifica, cresce um movimento nas redes sociais pedindo para que o presidente Jair Bolsonaro (PL) não se manifeste sobre o conflito. Temendo consequências diplomáticas negativas, usuários apelam para que o mandatário não escolha um lado do conflito. Na manhã desta quinta-feira, 24, a quantidade de publicações desse teor passa de 60 mil. Tropas russas avançaram sobre o território ucraniano nesta madrugada, deixando dezenas de mortos e feridos. 

Na semana passada, o chefe do Executivo foi criticado por manter sua viagem oficial à Rússia mesmo enquanto a tensão bélica envolvendo aquele país fervilhava. Durante a visita, o presidente brasileiro manifestou solidariedade à Rússia e a “todos os países que se empenham pela paz”, gesto que foi mal visto pelos Estados Unidos. A Casa Branca reagiu: disse que o ato “mina a diplomacia internacional” e “não poderia ter ocorrido em momento pior”.

Agora, usuários das redes sociais temem que o chefe do Executivo dê outros passos falhos na diplomacia. “Só espero que o Bolsonaro não veja, não comente, simplesmente não reaja de forma alguma, apenas fique calado, em completo silêncio”, escreveu um usuário em uma publicação com mais de três mil curtidas no Twitter. “Precisamos fazer uma corrente de oração para que o Bolsonaro fique calado pelas próximas semanas”, disse outro. 

“Que o Bolsonaro não invente de se meter nessa guerra entre Rússia e Ucrânia”, diz uma publicação com cerca de 7 mil curtidas. “Indo dormir com esperança de acordar e não ver nenhuma notícia falando que o presidente se meteu no meio de uma guerra mundial”, publicou outro usuário.  

O vereador Rubinho Nunes (PSL-SP) brincou com o fato de que, há cerca de uma semana, bolsonaristas e aliados do governo tentaram emplacar a narrativa de que o presidente brasileiro teria evitado a guerra graças à sua viagem. “Poxa, mas há uma semana os bolsonaristas diziam que o Bolsonaro tinha evitado a guerra e por isso ganharia o Nobel da Paz...”, ironizou. 

O presidente Bolsonaro já está ativo em seus perfis oficiais na manhã desta quinta-feira, mas ainda não se manifestou sobre a invasão russa.  O Itamaraty também ainda não publicou nota sobre o ocorrido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.