REUTERS/www.Stratfor.com
REUTERS/www.Stratfor.com

Rússia usa drones em missões de vigilância na Síria

Segundo fontes americanas, o uso das aeronaves não tripuladas põe em risco os voos da coalizão liderada pelos EUA

O Estado de S. Paulo

21 Setembro 2015 | 18h29

WASHINGTON - A Rússia começou a usar drones (aeronaves não-tripuladas) em missões de vigilância na Síria, disseram duas autoridades dos Estados Unidos nesta segunda-feira. Aparentemente, estas são as primeiras operações aéreas militares de Moscou na Síria desde a montagem acelerada de uma base militar em solo sírio. 

As autoridades, que falaram à Reuters sob condição de anonimato, não souberam dizer de imediato quantos drones russos estão envolvidos nas missões de vigilância ou a abrangência dos voos. O Pentógono não quis comentar a informação.

O início do uso de drones russos ressaltou os riscos da realização de voos da coalizão liderada pelos EUA e da Rússia no limitado espaço aéreo da Síria. 

Na última sexta-feira, os representantes da área de defesa americanos e russos concordaram em explorar maneiras de evitar interações acidentais, também conhecidas como “desconflituosidade” na linguagem militar. 

Os ex-adversários da Guerra Fria têm nos militantes do Estado Islâmico um inimigo em comum na Síria, embora Washington se oponha ao apoio de Moscou ao presidente sírio, Bashar Assad, vendo nele uma força propulsora da guerra civil de mais de quatro anos no país. 

Em suas operações, a Rússia também pode acabar alvejando combatentes da oposição apoiados pelos EUA na Síria. 

As operações dos drones russos parecem estar sendo realizadas em uma base aérea próxima de Latakia, onde a Rússia mobilizou equipamento militar pesado como caças, helicópteros de ataque e forças de infantaria naval nos últimos dias, afirmaram autoridades americanas. / REUTERS

Mais conteúdo sobre:
drones Síria Rússia EUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.