Rússia vai discutir cooperação nuclear com Japão

O primeiro-ministro Rusail Fradkov, iniciou nesta terça-feira uma visita de dois dias ao Japão na qual debaterá uma possível cooperação para a "externalização" do enriquecimento de urânio, segundo informou a agência japonesa Kyodo.O ministro da Indústria do Japão, Akira Amari, explicou que os dois países estudarão uma possível cooperação nuclear, condicionada à autorização pela Rússia do acesso dos inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).Segundo a Kyodo, a Rússia poderia enriquecer urânio a partir de combustível nuclear reciclado do Japão.Até agora o Japão não adota o processo devido a suas possíveis ligações com armas nucleares.Segundo o ministro Amari, a possibilidade "abre as opções de enriquecimento de urânio" para o país. "Mas seria preciso confirmar que o combustível nuclear do Japão não é desviado para o desenvolvimento de armas atômicas", ressaltou.Fradkov será recebido nesta terça-feira em audiência pelo imperador Akihito e amanhã se reunirá com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, para falar da possível cooperação energética entre seus países.Além disso, devem discutir o conflito sobre quatro ilhas do Pacífico noroeste. Chamadas Curilas do sul pela Rússia e Territórios do Norte pelo Japão, elas foram invadidas pela União Soviética no fim da Segunda Guerra Mundial e ainda são motivo de disputa.As autoridades russas se declaram dispostas a dialogar somente sobre a cessão de duas delas. No entanto, o governo japonês cita a Declaração de Tóquio, assinada em 1993 pelo então presidente russo, Boris Yeltsin, admitindo a solução do conflito com as quatro ilhas consideradas em conjunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.