AP Photo/Didor Sadulloev - arquivo
AP Photo/Didor Sadulloev - arquivo

Rússia vê potencial cooperação com o Taleban, mas também se prepara para o pior

O país tem realizado exercícios militares nas fronteiras do Afeganistão nas últimas semanas e na terça-feira anunciou um exercício militar de um mês no Tajiquistão, onde está localizada sua maior base no exterior

Robyn Dixon/ The Washington Post, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2021 | 12h00
Atualizado 18 de agosto de 2021 | 12h25

MOSCOU - Após a tomada relâmpago do Afeganistão pelo Taleban, autoridades russas adotaram uma abordagem dupla sobre a região: cautelosamente estendendo a mão ao Taleban, mesmo enquanto a Rússia expandia os exercícios militares com o Tajiquistão ao longo da fronteira afegã.

Na Rússia, com suas memórias amargas de uma ocupação soviética fracassada na década de 1980 e uma retirada humilhante depois de mais de nove anos, houve um inevitável sentimento de satisfação ao ver seu rival, os Estados Unidos, enfrentando sua própria partida fracassada.

Agora a Rússia vê potencial para um papel mais influente com o Taleban, enquanto avalia os riscos de instabilidade regional ou extremismo se o Afeganistão voltar à guerra civil.

Mas Moscou também enviou fortes sinais de seu poderio militar e interesse estratégico na região.

A Rússia tem realizado exercícios militares nas fronteiras do Afeganistão nas últimas semanas e na terça-feira anunciou um exercício militar de um mês no Tajiquistão, onde está localizada a maior base da Rússia no exterior.

“A Rússia está preocupada? Sim claro. Na década de 1990, quando o Taleban assumiu o controle de Cabul, isso produziu um impacto destrutivo para os países vizinhos ”, disse Fyodor Lukyanov, presidente do Conselho de Política Externa e de Defesa da Rússia.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, discutiu a crise na segunda-feira com o secretário de Estado americano, Antony Blinken, e o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi.

Moscou classificou o Taleban como um grupo terrorista, mas já hospedou funcionários do Taleban várias vezes nos últimos anos. Funcionários importantes, incluindo Lavrov, o embaixador da Rússia no Afeganistão, Dmitry Zhirnov, e o enviado presidencial especial no Afeganistão, Zamir Kabulov, falaram positivamente sobre o Taleban desde a queda de Cabul.

Jirnov e Kabulov compararam o Taleban favoravelmente ao governo anterior de Ashraf Ghani, que fugiu do país no domingo quando o governo entrou em colapso e o Taleban entrou em ação.

Lavrov disse na terça-feira que a Rússia não se apressaria em reconhecer um governo do Taleban. Ele apelou a um diálogo nacional inclusivo, incluindo todas as forças políticas para estabelecer um governo de transição.

Moscou continua preocupada com o extremismo islâmico que vem do Afeganistão e teme que o regime do Taleban resulte em guerra civil e caos.

Para Entender

O que é o Taleban e como o grupo retomou o poder no Afeganistão

Grupo fundamentalista que busca instaurar uma versão radical da lei islâmica se espalhou por todo o país, invadindo uma cidade após a outra até conquistar Cabul

Mas Lukyanov disse que os militares russos estavam mais bem equipados para lidar com ameaças potenciais do que na década de 1990, quando o Taleban governou pela última vez. Ele disse que a Rússia agora mantém contato com todas as partes no Afeganistão, em contraste com os anos 90, quando se concentrava apenas na Aliança do Norte, que lutava contra o Taleban.

Alguns analistas russos disseram que a Rússia poderia pagar um preço alto pela repentina incerteza deixada para trás pela guerra de quase 20 anos de Washington.

Elena Suponina, analista do Instituto Russo de Estudos Estratégicos, previu que o Taleban não seria capaz de garantir a estabilidade no Afeganistão.

“Em primeiro lugar, o próprio Taleban está bastante fragmentado e não existe um comando único e claro. Em segundo lugar, as potências regionais e outras continuarão a jogar com essas diferenças internas ”, disse ela.

“E, finalmente, há outros grupos armados no Afeganistão que não estão dispostos a obedecer ao Taleban”, disse ela ao jornal Moskovsky Komsomolets. Ela disse que células da Al-Qaeda e do Estado Islâmico no Afeganistão podem ganhar terreno rapidamente.

Kirill Semenov, analista do Conselho de Assuntos Internacionais da Rússia, disse que o Taleban pode se dividir entre aqueles que buscam uma abordagem mais radical e linha-dura e aqueles que adotam uma linha mais branda.

“Há uma chance de que uma luta pela divisão de esferas de influência dentro do próprio Taleban comece. É com isso que devemos nos preocupar ”, disse ele ao jornal.

O aumento do Taleban em todo o país gerou temores de que seus combatentes tenham como alvo pessoas associadas ao governo anterior ou às forças ocidentais, bem como jornalistas, defensores dos direitos humanos e defensores das mulheres.

Veja o mapa do Afeganistão

O porta-voz do Taleban, Zabiullah Mujahid, tentou acalmar os temores em uma entrevista coletiva na terça-feira, dizendo que todos os inimigos foram "perdoados" e prometendo permitir que as mulheres estudem e trabalhem, mas dentro da estrutura da lei sharia. Ele não queria saber se as mulheres poderiam trabalhar como jornalistas.

As autoridades russas têm feito grandes esforços para suavizar a visão oficial do Taleban.

Mas Alexander Knyazev, um especialista em estudos da Ásia Central na Universidade de São Petersburgo, disse a Nezavisimaya Gazeta que o Taleban havia sido demonizado, tornando difícil para as autoridades explicarem ao público seus contatos com o grupo.

Lavrov se afastou da designação terrorista da Rússia para o grupo, chamando-o de "uma força política reconhecida". Ele disse que a oferta do Taleban de incluir diferentes vozes em seu governo foi positiva, enquanto o Ministério das Relações Exteriores disse que o Taleban estava restaurando a ordem.

“Vemos alguns sinais encorajadores por parte do Taleban, que declarou seu desejo de ter um governo envolvendo outras forças políticas”, disse Lavrov a jornalistas na terça-feira.

O embaixador da Rússia no Afeganistão, Zhirnov, disse na terça-feira que se encontrou com oficiais do Taleban em Cabul, que prometeram garantir a segurança de diplomatas e ex-funcionários do governo.

“A abordagem deles é clara. É bom, positivo e profissional. Não consigo ver os obstáculos que nos impedirão de encontrar um terreno comum em todos os detalhes ”, disse Zhirnov. “A situação atual em Cabul é melhor do que sob Ashraf Ghani”, o presidente afegão que fugiu do país no domingo.

As relações da Rússia com Ghani ficaram frias quando o Kremlin o contornou nas negociações envolvendo o Taleban em Moscou nos últimos anos. A Rússia pressionou por um governo de transição que incluísse todos os lados, mas condenou veementemente a decisão de Ghani de fugir do país quando o Taleban entrou em Cabul.

Kabulov, o enviado presidencial, advertiu que “toda a comunidade internacional estará observando” o Taleban para garantir que os direitos humanos sejam respeitados. Mas era esperado, ele acrescentou, que a Rússia acabaria reconhecendo o governo do Taleban.

“Hoje estamos testemunhando um colapso da política externa americana”, disse o presidente da Duma da Rússia, Vyacheslav Volodin, na terça-feira. “Apesar dos desenvolvimentos em andamento, não estamos ouvindo declarações do Departamento de Estado dos EUA sobre a assistência que eles fornecerão ao Afeganistão e aos países vizinhos.”

A analista Darya Mitina, colunista do jornal Vedomosti, observou que muitos dos desafios podem recair sobre a Rússia e seus aliados da Ásia Central.

“Os EUA deixaram todas as obrigações e todos os riscos para nós”, escreveu ela. “Adivinhe para onde irá correr o principal fluxo de refugiados e às custas de quem as fronteiras e exércitos dos países da Ásia Central serão reforçados? E os americanos entraram em uma bela aeronave e voaram para longe. ”

O Distrito Militar Central da Rússia disse que 1.000 soldados russos participariam de um exercício de um mês com o Tajiquistão, uma semana depois que a Rússia realizou exercícios militares perto da fronteira com o Afeganistão com 2.500 forças russas, tajiques e usbeques. Segundo seu tratado de segurança coletiva com o Tajiquistão, o Usbequistão e outras potências regionais, o Kremlin é obrigado a enviar seus militares em caso de ataque.

As autoridades tajiques também anunciaram planos para três dias de exercícios anti-terrorismo esta semana com forças do Ministério de Segurança Pública da China.

O Ministério das Relações Exteriores do Usbequistão disse na terça-feira que está em contato com autoridades do Taleban para garantir a segurança de sua fronteira, que fica perto da cidade de Mazar-e Sharif, no norte do Afeganistão. Ele disse que manteria “relações amigáveis e de boa vizinhança com o Afeganistão”, mas apelou a um governo envolvendo todas as principais forças políticas do país.

As autoridades usbeques disseram que 22 aeronaves militares afegãs e 24 helicópteros que transportavam 585 soldados afegãos voaram para o Usbequistão no fim de semana, pousando no aeroporto de Termez. Outros 158 civis e soldados afegãos cruzaram o rio Amu Darya para escapar do Afeganistão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.