Rússia venderá armas para o Irã

Os ministros da Defesa do Irã e da Rússia assinaram hoje acordos de venda e compra de armas, enterrando um entendimento secreto entre Washington e Moscou de não fornecer armamentos a Teerã. Os dois ministros também expressaram sua solidariedade à aliança de oposição que atua no norte do Afeganistão e que luta contra a milícia Taleban. As duas nações insistiram, no entanto, na necessidade de uma aprovação da ONU antes de qualquer retaliação militar aos ataques terroristas de 11 de setembro nos Estados Unidos. O Afeganistão, onde o suposto terrorista Osama bin Laden possuiu sua base, deverá ser um alvo. "Se isso ocorrer com o consentimento da comunidade internacional e das Nações Unidas, então, claro, apoiaremos tal ação", afirmou o ministro da Defesa do Irã, Ali Shamkhani, segundo a agência de notícias russa Interfax. Com relação a Israel, o ministro iraniano considerou o país uma "universidade de terroristas" sob a administração do primeiro-ministro Ariel Sharon, informou a agência. Shamkhani chegou a Moscou hoje para uma visita de cinco dias, quando formalizará um acordo de armas acertado durante a presença na capital russa do presidente iraniano, Mohammad Khatami, em março deste ano. O acordo de Moscou para fornecer ao Irã cerca de US$ 7 bilhões em armamentos nos próximos anos cancela um acordo secreto entre o ex-premier russo Viktor Chenomyrdin e o então vice-presidente dos EUA AL Gore para barrar qualquer venda de armas a Teerã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.