Rússia veta moção contra plebiscito na Crimeia e Ucrânia denuncia invasão de usina de gás

Moscou impede no Conselho de Segurança da ONU resolução que tornaria ilegal voto sobre anexação de península

Andrei Netto, O Estado de S. Paulo

15 de março de 2014 | 21h07

SIMFEROPOL - A Rússia vetou neste sábado, 15, no Conselho de Segurança da ONU a resolução que declarava ilegal o referendo sobre a anexação da Crimeia, previsto para ocorrer no domingo, 16, na península no leste da Ucrânia. Hoje também, Kiev denunciou que tropas russas invadiram o território ucraniano, tomando um complexo de distribuição de gás.

A China se absteve da votação no Conselho de Segurança, o que demonstra o isolamento internacional da Rússia. Treze países que compõem o organismo votaram a favor da moção. As nações que apoiavam a resolução, proposta pelos EUA, sabiam que os russos usariam o poder de veto que têm por serem membros permanentes do conselho - e fizeram a votação com a intenção de demonstrar a ampla oposição à tomada da Crimeia por parte da Rússia.

O porta-voz de segurança de fronteira da Ucrânia Oleg Slobodyan afirmou que neste sábado, 15, as forças russas fizeram o que parece ser sua primeira incursão no território ucraniano: apoderaram-se de um complexo de distribuição de gás em Strelkova, a cerca de 10 quilômetros da Crimeia. Os russos usaram helicópteros e blindados para apoiar os 120 soldados que participaram da ação, segundo Slobodyan.

A chancelaria ucraniana afirmou que o país "se reserva o direito de usar todas as medidas necessárias para impedir a invasão militar da Rússia".

O barulho das botas se faz ouvir alto na Praça Lenin, no centro de Simferopol. É assim que, no fim da tarde, soldados e milicianos russos e cossacos, que tomaram o controle do Parlamento da Crimeia, deixam claro, mais uma vez, quem dita as regras na península do Mar Negro. Sem deixar espaço para o diálogo, militantes pró-Rússia antecipam o resultado do referendo que deve colocar neste domingo, 16, a república autônoma sob domínio de Vladimir Putin.

Apesar de toda a pressão internacional, o referendo na Crimeia está marcado para este domingo graças a Moscou, que oferece apoio incondicional às autoridades locais. Ao todo, 1,5 milhão de pessoas estão habilitadas a votar. "Este referendo é a nossa chance de viver melhor e em mais segurança", afirmou ao Estado o desempregado Andri Fedorovich, de 36 anos, um dos tantos saudosos do poder e da planificação econômica da antiga União Soviética.

Visão oposta, claro, têm os partidários pró-Ucrânia, que criticam a secessão. "Se as pessoas decidirem pela anexação da Crimeia à Rússia, pode ser perigoso. Poderemos ter batalhas nas ruas ou até uma guerra terrível", disse Andri Schekun, de 40 anos, coordenador do movimento Euromaidan na região.

Após a entrevista, ocorrida dentro de um carro para não chamar atenção, Schekun telefonou para um amigo e disse que estava sendo preso por milicianos na estação ferroviária de Simferopol. Desde então, não foi mais visto, assim como seu colega de movimento Anatoli Kolvaski. A chance de que a "guerra terrível" descrita por Schekun de fato ocorra, porém, é considerada ínfima porque, como seu desaparecimento demonstra, os russos têm o controle total da península.

No intervalo de uma semana, as manifestações em favor da Ucrânia desapareceram. Em seu lugar, grupos de hooligans - violentos ou não - vagam durante a noite, enquanto milicianos organizados desfilam pelas ruas e se concentram no Parlamento e na Praça Lenin durante o dia.

Para observadores políticos ucranianos, o detonador dessa repressão foi um erro de cálculo político do presidente interino da Ucrânia, Oleksandr Turchinov, e de seu premiê, Arseni Yatseniuk. Em uma canetada, eles cancelaram, com apoio do Parlamento, o status da língua russa como um dos dois idiomas oficiais do país. Para a população da Crimeia, foi a prova que faltava: a perseguição de Kiev aos russos estava começando e logo era chegada a hora de reivindicar o retorno à a Rússia, país ao qual a península pertencia até 1954. "Somos a maioria aqui, somos 58% da população, mas querem nos impedir de falar a nossa língua", disse a filósofa Larissa Chulkova.

Atendendo a apelos por "proteção" da população russa, Putin ordenou o desembarque de tropas em suas bases na Crimeia - onde, por força de acordos binacionais, até 25 mil soldados podem ficar estacionados. Em questão de horas, o Parlamento, aeroporto e os pontos estratégicos da região foram ocupados por militares russos e cossacos, fazendo explodir as denúncias de invasão e ampliando a crise política na Ucrânia.

É nesse clima que o referendo será feito. "Antes da chegada dos soldados, as pessoas estavam indecisas e amedrontadas. Agora, estão confiantes. Você vai ver: pelo menos 75% votarão pela anexação à Rússia", diz o motorista Serguei Hahulya.

A previsão não é considerada irrealista. Com tamanha pressão da comunidade russa, até ex-ucranianos convictos mudaram de ideia. Há uma semana, o estudante Ylia Ilga, de 24 anos, afirmava não querer viver na Rússia, apavorado com a ideia de perder liberdades. Na sexta-feira, havia se convertido. / COM AP

Tudo o que sabemos sobre:
UcraniaRussia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.