Russo percorre 5.000 quilômetros em cadeira de rodas

Ele teve de trocar os pneus de sua cadeira de rodas em 11 ocasiões, caiu no chão e chegou a passar uma noite tombado na sarjeta. Mesmo assim, um deficiente físico russo conseguiu concluir uma viagem de 5.000 quilômetros em uma cadeira de rodas. O objetivo de sua viagem era inspirar outros deficientes e denunciar as drogas. Ao longo do caminho, as pessoas o ajudaram com comida, água e alojamento. Pouco antes de chegar a Madri, enfermeiros e médicos de uma ambulância checaram sua pressão arterial para ver se estava tudo bem.Vladimir Ksenchak, de 65 anos, deixou Moscou em 11 de junho, passando por diversas outras cidades da Rússia, antes de atravessar Bielo-Rússia, Polônia, Alemanha, Holanda, Luxemburgo e França, concluindo sua aventura na Espanha. Ksenchak foi obrigado a amputar uma das pernas em 1996, por causa de problemas de pressão arterial."A parte mais fácil da viagem foi seguir até Luxemburgo. Depois, o trajeto ficou muito mais complicado. A parte mais difícil foi entre San Sebastian e Madri, por causa das montanhas", contou Ksenchak em uma entrevista coletiva concedida nesta terça-feira na sucursal espanhola da agência russa de notícias RIA Novosti. Além de encorajar os deficientes, Ksenchak disse que seu objetivo é afastar os jovens das drogas. Ele batizou sua viagem de "Rússia e Europa sem drogas".Ksenchak contou que seu objetivo original era ir até Lisboa, no extremo ocidental do continente europeu, mas chegou à conclusão de que sua cadeira de rodas não resistiria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.