Russos disparam contra forças ucranianas, afirma OTAN

A Rússia usou sua artilharia contra forças ucranianas tanto de seu próprio território como de dentro da Ucrânia, disseram autoridades da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) nesta sexta-feira. "O apoio da artilharia russa através da fronteira e de dentro da Ucrânia está sendo usado contra as forças armadas da Ucrânia", disse a porta-voz da OTAN, Oana Lungescu.

Estadão Conteúdo

22 de agosto de 2014 | 16h04

Os relatos da presença da artilharia russa dentro da Ucrânia, operada tanto por separatistas quanto pelas próprias forças russas, representam um novo avanço da instabilidade na região. "Desde a metade de agosto, nós temos vários relatos sobre o envolvimento direto das operações russas de defesa aérea, de carregamento e das operações especiais no leste da Ucrânia", afirmou Lungescu.

"Nós também temos visto transferências de grandes quantidades de armas avançadas, incluindo tanques, veículos carregadores blindados e artilharia, para grupos separatistas no leste da Ucrânia. E há semanas temos visto um crescimento alarmante das forças russas em terra e no ar nas proximidades da Ucrânia", acrescentou a porta-voz.

O secretário-geral da OTAN, Anders Fogh Rasmussen, disse que o que é "ainda mais preocupante" é que o estabelecimento do Exército russo na fronteira coincide com a entrada do comboio com suposta ajuda humanitária no território ucraniano.

"Esta é uma brecha flagrante dos compromissos internacionais russos, incluindo aqueles acordados recentemente em Berlim e em Genebra, e uma violação ainda maior da soberania ucraniana", afirmou Rasmussen. "Isto só vai aprofundar a crise na região, crise que a própria Rússia criou e continua a promover. O desrespeito aos princípios humanitários internacionais levanta ainda mais questões sobre se o real propósito do comboio é ajudar os civis ou reabastecer separatistas armados." Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
UcrâniaRússiaataques

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.