Russos e holandeses tentam içar o Kursk neste mês

Os técnicos de um consórcio holandês e especialistas russos concluíram nesta quinta-feira a separação da proa do submarino Kursk do restante de seu casco, etapa fundamental para o içamento da nave por volta do dia 25, segundo a última previsão das autoridades.A proa, onde ficava o compartimento de torpedos, será deixada no fundo do Mar de Barents porque os técnicos temem a explosão de uma das armas não detonadas durante o acidente que levou o submarino a pique, em agosto de 2000.A hipótese mais provável é a de que ele tenha naufragado por causa de uma explosão de torpedos. O plano inicial era fazer reflutuar o Kursk no sábado, mas uma série de complicações técnicas e a instabilidade do tempo na região levaram ao adiamento.Se houver outros contratempos que impeçam o içamento até o fim do mês, teme-se que ele seja adiado para o ano que vem, pois o início do inverno na região inviabilizará a operação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.