Russos poderão eleger governadores; oposição critica lei

O Parlamento russo aprovou nesta quarta-feira um projeto de lei que prevê a retomada de eleições para governador, mas a oposição afirma que a nova lei ainda vai permitir que o presidente impeça a participação de candidatos indesejáveis.

AE, Agência Estado

25 de abril de 2012 | 17h57

A Duma, câmara baixa do Parlamento russo, aprovou a lei por 237 votos, poucos além da maioria simples exigida para a aprovação.

O presidente Dmitry Medvedev apresentou o projeto em resposta aos grandes protestos contra seu mentor, Vladimir Putin, na etapa final da eleição realizada em março, que deu a Putin seu terceiro mandato presidencial.

Putin eliminou a eleição direta para governadores provinciais durante sua presidência como parte de sua sistemática reversão de liberdades democráticas.

Embora o presidente não possa mais indicar os governadores russos, a nova lei dará a ele o direito de "consultar" potenciais candidatos ou partidos que os indicam. Os candidatos também terão de receber apoio formal de 5% a 10% dos membros das legislaturas locais, dependendo da região.

"Será mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um candidato da oposição se tornar governador", disse o legislador comunista Anatoly Lokot.

Yelena Mizulina, do partido Rússia Justa, de esquerda, disse que a lei foi um retrocesso para a era soviética, quando candidatos eram aprovados pelo Partido Comunista.

A Duma é dominada pelo partido do Kremlin, o Rússia Unida, que tem a maioria dos assentos. O Rússia Justa, embora criado por Putin, uniu-se recentemente ao Partido Comunista.

A lei ainda precisa ser aprovada pela câmara alta e assinada por Medvedev, medidas consideradas meras formalidades.

As reformas de Medvedev também incluem projetos que facilitam as exigências para o registro de partidos e a liberalização das leis eleitorais. Essas medidas foram saudadas pela oposição, mas a próxima eleição para o Parlamento acontece daqui a cinco anos. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Rússiapolítica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.