Russos recebem líder com frieza

Indiferença marca início da visita

Reuters, MOSCOU, O Estadao de S.Paulo

08 de julho de 2009 | 00h00

O presidente americano, Barack Obama, teve uma recepção fria por parte da imprensa russa. A Ekho Moskvy, estação de rádio mais importante de Moscou, abriu seu programa de notícias matinal com a morte do escritor Vasily Aksyonov, relegando Obama a um segundo plano.O jornal Moskovsky Komsomolets alertou contra as conclusões otimistas a respeito do encontro entre Obama e o presidente russo, Dmitri Medvedev. "A estratégia dos EUA continua a mesma, não importa quem ocupe a Casa Branca", publicou o jornal.Em editorial, o Kommersant lembrou que o primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, estava visitando agricultores no sul do país quando Obama chegou a Moscou. "Obama foi atropelado por agricultores", foi a manchete do jornal.Alguns jornais queixaram-se dos tormentos causados no trânsito da capital em razão da visita do presidente dos EUA. Outros, lembraram a indiferença dos moscovitas em relação ao americano. "Se Obama esperava um tapete vermelho e uma multidão de fãs gritando ?Nós amamos você? não encontrará nada disso em Moscou", disse o Izvestia.Em Moscou, os planos de Obama também não saíram como esperado. O discurso do americano não foi divulgado na TV, frustrando os planos da Casa Branca de que o pronunciamento alcançasse uma ampla audiência - o discurso foi transmitido ao vivo somente pela TV Vesti, mas não pelos principais canais russos, como First Channel, Rossiya ou NTV. Na segunda-feira, a transmissão de um jogo de futebol no principal canal de esportes da Rússia superou a cobertura da coletiva entre Obama e Medvedev. Na Escola da Nova Economia, de Moscou, o discurso de 31 minutos de Obama foi aplaudido apenas no final, quebrando uma tradição de outros pronunciamentos do presidente. Nos anteriores, em Praga, em abril, e no Cairo, em junho, Obama foi aplaudido repetidamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.