Russos roubam bens de morto

Soldados são presos por fazer saque com cartão de crédito de vítima da queda de avião polonês

Afp e Reuters, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2010 | 00h00

VARSÓVIA

A Rússia prendeu quatro soldados suspeitos de roubar o cartão de crédito de uma das vítimas do acidente aéreo que matou o presidente polonês, Lech Kaczynski, informou a Justiça da Polônia. Segundo a porta-voz da Procuradoria, Monika Lewandowska, o cartão foi utilizado 12 vezes nas horas seguintes à tragédia, em 10 de abril, por militares russos que estiveram no local onde caiu o avião.

"Uma hora e 20 minutos após a catástrofe, foi registrado um primeiro saque fraudulento com um dos cartões de Andrzej Przewoznik (secretário-geral do Conselho para a Proteção de Monumentos da Luta e do Martírio e uma das 96 vítimas)", disse a porta-voz. "Nos três dias após a catástrofe, até 12 de abril, foram feitos 11 saques num total de 1.445."

Segundo a Procuradoria, os saques foram feitos por quatro soldados de um dos quartéis de Smolensk, cidade russa em que o avião caiu durante a aterrissagem. "Os soldados também tentaram sacar, mas sem sucesso, dinheiro com outro cartão de Przwwoznik", completou Monika.

O Ministério de Interior russo negou a prisão dos soldados. O Ministério da Defesa também não se manifestou sobre a denúncia da Justiça polonesa.

A Procuradoria da Polônia pediu às autoridades russas colaboração para investigar o roubo de artigos pessoais dos ocupantes do avião presidencial. O presidente interino da Polônia pediu no mês passado ao governo russo para que aumente a vigilância da área do acidente. A imprensa polonesa exibiu imagens de moradores da região de Smolensk recolhendo objetos entre os destroços da fuselagem.

A tragédia, que matou o presidente, ministros e militares de alto escalão, recuperou as esperanças de uma melhoria nas relações entre a Rússia e a Polônia.

A delegação que estava a bordo do avião seguiria para a cidade de Katyn, onde participaria de uma cerimônia em memória dos mais de 20 mil poloneses mortos em 1940 pelo regime soviético de Josef Stalin. Durante meio século, o massacre de Katyn foi negado por Moscou, que acusou as tropas nazistas pelo crime.

Os investigadores ainda não concluíram o que causou o acidente, mas afirmam que erro humano ou a má condição do tempo podem ter levado à queda do avião. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.