Ryan aceita indicação à vice-presidência e ataca Obama

O congressista Paul Ryan aceitou formalmente a nomeação para ser o candidato do Partido Republicano à vice-presidência dos Estados Unidos, na chapa formada com Mitt Romney. Ao falar durante a Convenção Nacional Republicana, em Tampa, Flórida, ele afirmou que o momento para o presidente Barack Obama e seu partido "veio e se foi". Ryan, de 42 anos, é um ídolo dos conservadores e atrai a hostilidade dos democratas.

AE, Agência Estado

30 de agosto de 2012 | 08h50

Em discurso transmitido em cadeia nacional no final de quarta-feira (horário local), Ryan elogiou Romney, falou de sua vida e, especialmente, atacou Obama, sob aplausos dos republicanos. Ele afirmou que a presidência está "à deriva". "Sem uma troca de liderança, por que os próximos quatro anos seriam diferentes dos últimos quatro?", perguntou ele.

Até agora a indicação de Ryan não mudou a dinâmica da corrida pela Casa Branca. Pesquisas continuam a mostrar que Obama e Romney estão tecnicamente empatados e que a economia é maior preocupação dos eleitores. O candidato à vice-presidência nasceu no Estado de Wisconsin, no Meio-Oeste norte-americano. Um dos líderes do partido no Congresso, Ryan é o arquiteto do plano de cortar gastos federais para reduzir o déficit do país. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAeleiçãoconvençãoPaul Ryan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.