Saddam chama ataque de "imbecilidade"

Saddam Hussein disse hoje que seria uma "imbecilidade absoluta" os Estados Unidos atacarem o Iraque. Falando em uma reunião ministerial transmitida pela televisão em Bagdá, Saddam assegurou que, em caso de uma eventual "agressão militar americana" contra seu país, seu Exército lutará "até com fuzis e granadas". "Lutaremos contra essas forças como fizemos em 1991 (alusão à Guerra do Golfo), venham elas sozinhas ou com apoio internacional", acrescentou. O líder iraquiano ressaltou que suas tropas estão "preparadas e decididas a combater", sob suas ordens, qualquer invasor. "Fiel a seus princípios e graças a sua resistência, o Iraque se converteu em um exemplo, primeiro no cenário islâmico e árabe, e está a ponto de se transformar também (em exemplo) no plano internacional", destacou. "Para melhorar o rendimento" das tropas, o mandatário iraquiano exortou seus soldados a praticarem natação e passarem "o dia inteiro na água", informou a imprensa local. Os soldados "devem aprender a nadar e dar provas de resistência e perseverança", acrescentou Saddam lembrando que "a salinidade da água marinha torna mais fácil nadar no mar do que nos rios". Saddam é um apaixonado pela natação e várias vezes apareceu na televisão enquanto nadava no rio Tigre, que, com o Eufrates, delimita a Mesopotâmia, no coração do Iraque. Uma semana atrás, o governante emitiu um decreto ordenando que sejam rebaixados os salários dos oficiais e funcionários iraquianos com excesso de peso. "Cada funcionário ou oficial do Exército que não for aprovado no exame anual de resistência física terá seus soldos e gratificações reduzidos pela metade", dizia o decreto. Referindo-se à crescente oposição da opinião pública mundial e de alguns governos à guerra, o líder iraquiano afirmou que seu país, "sempre fiel a seus compromissos, acabou fazendo muitos amigos no mundo, além dos irmãos árabes".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.