Saddam concede anistia e liberta todos presos do Iraque

Em comemoração à "reeleição",o presidente do Iraque, Saddam Hussen, decretou neste domingouma anistia a "todos os presos, políticos ou comuns",com exceção dos condenados ou que esperam julgamento por"crimes de espionagem em favor da entidade sionista (como osiraquianos se referem a Israel) ou dos EUA". Sentenciados porhomicídio ou roubo também seriam libertados desde que,respectivamente, sejam perdoados pela família da vítima erestituam os bens roubados. Pela manhã, os apresentadores da TV iraquiana anunciavamque, "em pouco tempo", Saddam transmitiria uma mensagem com"grandes notícias para a população". Pouco depois, jornalistasreunidos no centro de imprensa de Bagdá foram informados de que"todos os presos do país" seriam libertados. Imediatamente, longas filas de automóveis, com parentesde detentos, dirigiam-se às prisões portando cartazes com a fotode Saddam. O primeiro grupo de detidos mostrado pela TViraquiana deixou a prisão de Abu Gharib, a 25 quilômetros deBagdá, com seus pertences nas mãos. A saída de milhares de prisioneiros - o número exato nãofoi divulgado - continuava durante as primeiras horas da noitedeste domingo e deveria ser completada em 48 horas. O decreto, emitido pelo Conselho do Comando da Revoluçãoe assinado por Saddam, estabelece o "perdão completo edefinitivo dos cidadãos condenados ou à espera de julgamento pormotivos políticos ou por qualquer outro delito, incluindoaqueles sentenciados à morte e procurados pela Justiça iraquianatanto no Iraque quanto no exterior". Há semanas Saddam vem adotando medidas para ampliar suabase de apoio entre a população e os militares iraquianos. Antesdo referendo dos 100%, ele destinou um grande números de lotesde terra para militares do Exército, funcionários do governo ede seu Partido Baath. O banco estatal de financiamentos, fechadohavia anos, foi reaberto para prover oficiais militares deempréstimos a juros privilegiados. Do mesmo modo, automóveis -Peugeots franceses, na maioria - foram vendidos a preçospromocionais e financiamento subsidiado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.