Saddam condenado à morte por enforcamento

O ex-ditador do Iraque, Saddam Hussein, foi considerado culpado por crimes contra a humanidade e condenado à morte por enforcamento. Ao ouvir a sentença, visivelmente abalado, Saddam gritou "Deus é grande!". Depois, tremendo, acrescentou: "A vida pela nação gloriosa, e morte a seus inimigos!"Também foram condenados à morte o ex-presidente do Tribunal Revolucionário Iraquiano, Awad Hamed al-Bandar, e o meio-irmão de Saddam e ex-chefe de espionagem do Iraque, Barzan Ibrahim.As sentenças de morte seguirão imediatamente para um painel de apelação de nove juízes que terão tempo ilimitado para rever o caso. Se os veredictos e as sentenças forem mantidos, as execuções devem ocorrer num prazo de 30 dias.O procurador-chefe, Jaafar al-Moussawi, disse a repórteres que o julgamento do caso Anfal, atualmente em curso, em que Saddam e outros são acusados de responsabilidade em massacres de curdos, inclusive com gás venenoso, terá prosseguimento enquanto correr a apelação. Mas se a sentença de morte for mantida, o processo relativo a Anfal e de outros casos serão suspensos e Saddam será enforcado.Al-Moussawi afirmou que na eventualidade da execução, Saddam será enforcado, apesar de ter pedido para ser morto por um pelotão de fuzilamento. Um oficial do tribunal informou que o processo de apelação deve levar de três a quatro semanas, uma vez que os documentos formais sejam apresentados.O ex-ditador havia se recusado a obedecer a ordem do juiz Raouf Adbul-Rahman, para que se levantasse a fim de ouvir a sentença. Dois meirinhos agarraram Saddam para forçá-lo a se pôr em pé. Antes do início da sessão, um dos advogados de Saddam, o ex-secretário de Justiça dos EUA Ramsey Clark, foi expulso da corte, depois de entregar ao juiz um memorando no qual se referia ao processo como uma farsa. Abdul-Rahman apontou para Clark e disse, em inglês: "Caia fora".A pena está sendo imposta pelo massacre de 148 homens e meninos xiitas da aldeia de Dujail, em 1982. O julgamento de Saddam e outros réus, neste caso, teve início em 19 de outubro de 2005, e foi realizado pelo Tribunal Especial Iraquiano. Durante a fase de depoimentos, Saddam reconheceu ter aprovado a sentença de execução do grupo de xiitas, mas justificou a ordem dizendo que eles haviam conspirado para assassiná-lo. Além das execuções, centenas de pessoas denunciaram torturas e expropriação de terras em conseqüência da repressão que se seguiu a um atentado contra o comboio de veículos de Saddam em Dujail. Saddam Hussein foi preso no Iraque, por tropas americanas, no dia 13 de dezembro de 2003, depois de uma perseguição de 9 meses. As sentençasAlém de Saddam, sete outros réus responderam ao processo pelo massacre de Dujail. Todos foram condenados, menos um. As sentenças são:Saddam Hussein, ex-presidente do Iraque: morte por enforcamento.Barzan Ibrahim, meio-irmão de Saddam e ex-chefe de espionagem: morte por enforcamento.Awad Hamed al-Bandar, ex-chefe da Corte Revolucionária: morte por enforcamento.Taha Yassin Ramadan, ex-vice-presidente do Iraque: prisão perpétua.Abdullah Kazim Ruwayyid, ex-integrante do Partido Baath: 15 anos de prisão.Mizhar Abdullah Ruwayyid, ex-integrante do Partido Baath: 15 anos de prisão.Ali Dayih Ali, ex-integrante do Partido Baath: 15 anos de prisão. Mohammed Azawi Ali, ex-integrante do Partido Baath: inocentado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.