Saddam deve ser reeleito por mais sete anos

Saddam Hussein, mais uma vez fustigadopelos Estados Unidos, estava para ser reeleito nesta terça-feira para maissete anos no governo, em referendo para o qual foram convocadosos iraquianos. Em muitos casos, os eleitores deixaram uma marcado próprio sangue nas fichas de votação para expressar seu apoioao líder que governa o país desde 1979. Com o nome de "dia da grande mobolização" e exaltada comouma data histórica pela imprensa local "por ser vontadedemocrática do povo iraquiano diante das ameaças dos EstadosUnidos", a jornada eleitoral aconteceu com tranqüilidade enacionalismo. A presença às urnas foi quase total, já que as autoridadeseleitorais informaram que votaram quase 100% dos 11,5 milhõeseleitores habilitados. As autoridades organizaram visitas guiadas para a imprensaestrangeira a vários pontos de Bagdá e arredores. Nas ruas,crianças e jovens eram vistos com as bandeiras iraquianas efotos de Saddam Hussein. As aulas nas escolas foram suspensas. Em um dos centros de votação, uma mulher gritou de repente: "Este voto é para os inimigos do Iraque, os EUA e ossionistas." Um grupo de mulheres da zona norte de Bagdá marcou o "sim"na ficha eleitoral com uma amostra do próprio sangue, depois defurar o próprio dedo com uma agulha. Saddam Hussein não terá dificuldades para conseguir sereeleger. Os resultados finais serão conhecidos amanhã de manhã(horário local). Em Londres, o maior movimento de oposição a Saddam qualificoude "totalmente ilegítimo" o resultado da consulta popular. "É uma votação manipulada, muitos foram votar por medo",afirmou o presidente do Congresso Nacional Iraquiano (CNI),Sharif Ali al Hussein. A Casa Branca subestimou o referendo e o secretário deimprensa, Ari Fleischer, disse que "obviamente não é um diamuito sério, nem uma votação muito séria e não há nada que lhedê alguma credibilidade".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.