Saddam é expulso pela 3ª vez do julgamento, adiado para 9 de outubro

O julgamento de Saddam Hussein por genocídio foi adiado para o mês que vem, após acalorada sessão marcada por discussões aos gritos, e pelo ex-ditador sendo expulso pela terceira vez.O adiamento para o dia 9 de outubro foi pedido pelo juiz chefe para permitir que os réus entrem em contato com seus advogados, ou escolham advogados novos. O adiamento aconteceu após o tribunal acabar sem o ex-ditador e os outros réus na corte. Eles foram expulsos nesta terça-feira pelo juiz após uma discussão aos berros.Saddam e outro réu foram expulsos após todos os sete réus discutirem em voz alta com o juiz chefe Mohammed Oreibial-Khalifa. Primeiro ele retirou Saddam da corte, depois o seu ex-ministro da Defesa, sultão Hashim Ahmad al-Tai. Um funcionário próximo da corte disse mais tarde que al-Khalifa também expulsou os outros cinco réus antes do recesso. A confusão começou quando Saddam se recusou a ficar quieto após diversos pedidos de silêncio por parte do juiz. Batendo em se Alcorão, Saddam quis fazer uma colocação, interrompendo as perguntas que o promotor fazia a uma testemunha. "Você é um réu e eu sou o juiz", disse al-Khalifa, mandando Saddam se sentar. Um Saddam desafiador se recusou a sentar e continuou falando mesmo após o juiz desligar os microfones. Os outros seis réus começaram então a discutir gritando. "Calem a boca, ninguém pode falar..."gritou al-Khalifa, apontando o dedo ao réu. "A corte decidiu expulsar Saddam Hussein da sala da corte", acrescentou al-Khalifa. Saddam deixou a sala sorrindo. Foi a segunda vez seguida que Saddam foi expulso do tribunal. Al-Tai foi o que mais gritou durante a discussão, gritando insultos a al-Khalifa e disse: "Eu não vou me sentar". E apontando o dedo para o juiz, afirmou: "eu servi o exército durante 44 anos e ninguém se atreveu a gritar comigo. Somos educados e nos comportamos bem."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.