Saddam está vivo, diz Inglaterra

O governo britânico reconheceu neste domingo que o presidente do Iraque, Saddam Hussein, provavelmente sobreviveu aos intensos bombardeios contra Bagdá e as autoridades norte-americanas admitem não saber se ele está vivo."Depois do ocorrido (os primeiros disparos de mísseis contra a capital iraquiana), recebemos informações de que Saddam Hussein abandonou o lugar onde estava em uma ambulância", afirmou o secretário de Estado na chancelaria britânica, Mike O´ Brien, à emissora de tevê BBC. "Algumas pessoas indicaram que estava ferido e até que havia sido morto. Mas parece que isso é pouco provável. Se foi ferido, nada indica que o ferimento seja grave." O´Brien admitiu que muita informação não passa de especulação, embora uma testemunha tenha dito viu Saddam ser removido de ambulância."Não sabemos", afirmou o secretário norter-americano de Defesa, Donald Rumsfeld, ao ser indagado pela rede de TV NBC se sabia se Saddam ainda estava no comando das Forças Armadas. O sangue de SaddamJornais britânicos destacaram hoje que os serviços secretos do país acreditam que Saddam ficou gravemente ferido ou talvez tenha morrido. O diário The Sunday Telegraph chegou a assinalar que o presidente iraquiano precisou receber uma transfusão de sangue. Mas não há nada de concreto sobre isso. Os ataques massivos a Bagdá se concentraram nos palácios, edifícios governamentais, quartéis da Guarda Republicana e serviços de inteligência, que são o centro do poder de Saddam. Ele não é visto em público desde quarta-feira - dia inicial da guerra - , mas os constantes bombardeios e o fato de ser o alvo número 1 das forças anglo-americanas tornam improvável seu aparecimento.O sorriso de SaddamTrês horas depois do ataque a uma edificação onde estariam altos funcionários do governo, Saddam apareceu na TV, em cenas que poderiam ou não ter sido gravadas com antecedência. Hoje, a TV iraquiana mostrou imagens de Saddam em uniforme militar, sorrindo e relaxado, rodeado de assessores políticos e militares numa reunião.Rumsfeld afirmou que, segundo os informes dos serviços de inteligência norte-americanos essas imagens foram gravadas antes da guerra, para o caso de que ele morresse ou não estivesse em condições de ter acesso a meios de comunicação. Para o chefe do Estado-Maior conjunto dos EUA, general Richard Myers, o fato de as forças anglo-americanas não saberem o que se passa na atual direção iraquiana não quer dizer que ela não exista e não funcione. "Continuam dando ordens. Devemos esperar para ver quem realmente está no comando", disse.A traição a SaddamFontes nos serviços de inteligência dos EUA disseram à revista Newsweek que um funcionário iraquiano traiu Saddam, ao revelar onde ele iria dormir na noite do dia 19, prazo final dado pelo presidente norte-americano, George W. Bush, para render-se ou enfrentar um ataque.O assessor informou que Saddam e seus filhos, Qusay e Uday, iriam dormir no bunker construído por engenheiros alemães sob uma casa numa área residencial ao sul de Bagdá. Segundo a revista, o relato foi transmitido ao quartel-general da CIA pouco antes das 15 horas em Washington (23 horas em Bagdá). Quatro horas depois, os EUA iniciaram o ataque.Na sexta-feira, a emissora norte-americana de tevê ABC informou que um intermediário da chancelaria francesa está tentando alcançar um acordo que permita a Saddam exilar-se com a família na Mauritânia, país da África Ocidental. A TV assinalou que Pierre Delval viajou em várias ocasiões a Bagdá para tentar convencer o presidente do Iraque a partir para a ex-colônia francesa. Os árabes são 75% da população da Mauritânia, da qual 99% é islâmica. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.