Saddam faz referendo para ficar mais 7 anos no poder

Um referendo popular a ser realizado amanhã no Iraque vai tentar estender no poder o presidente Saddam Hussein por mais sete anos. O governo iraquiano considera que um triunfo do "sim" será um duro revés para os planos anglo-americanos contra Bagdá. "As ameaças dos Estados Unidos e dos sionistas deram nova dimensão à consulta", observou nesta segunda-feira o ministro iraquiano da Informação, Mohammed Said al Sahaf, para quem o resultado será "um duro golpe contra esse bando de criminosos". A campanha de mobilização terminou hoje com fogos de artifício cantos, danças folclóricas e hinos de fidelidade ao líder iraquiano, além de um jogo de futebol realizado no Estádio do Povo, em Bagdá. Onze milhões de iraquianos serão convocados amanhã no chamado "Dia da Grande Marcha", ou seja, a consulta popular para confirmar por mais sete anos o governo de Saddam. A consulta "será um doloroso golpe a todas essas conspirações preparadas por George W. Bush e um dos segredos da grandeza do povo iraquiano, que apóia seu líder imortal", escreveu hoje o jornal Babel, de propriedade do filho mais velho de Saddam, Udai. "Nesta terça-feira, o povo iraquiano dará uma grande bofetada na administração dos EUA. Uma das respostas mais civilizadas que podemos oferecer à arrogância é dizer sim amanhã, com orgulho e em uníssono", afirmou o jornal.

Agencia Estado,

14 de outubro de 2002 | 17h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.