Saddam não tem conta na Suíça, garante ministro

A Suíça não tem evidências de que Saddam Hussein possua contas bancárias no país, informou o ministro das Finanças suíço, Kaspar Villiger. Falando durante uma sessão parlamentar, o ministro afirmou que nenhuma conta bancária pertencente a Saddam foi informada pelos bancos, em cumprimento à legislação contra lavagem de dinheiro do país. As instituições financeiras suíças são obrigadas a informar a origem dos bens de autoridades estrangeiras, conhecidas como Pessoas Politicamente Expostas. "Acredito que os bancos estão cumprindo com suas obrigações de forma ativa, não apenas por questões morais, mas também porque (a descoberta de) contas pertencentes a Saddam poderiam causar um enorme dano (aos bancos)", disse Villiger. Há rumores persistentes, mas não confirmados, de que Saddam abriu várias contas na Suíça depois de um congelamento mundial de bens iraquianos, em virtude da invasão do Kuwait, em 1990. O congelamento foi parte de um pacote de sanções da ONU, que foi mantido depois da expulsão das forças de Saddam do país vizinho, em 1991.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.