Saddam poderá ser executado antes da 1 da manhã

O ex-ditador iraquiano, Saddam Hussein, pode ser executado antes das 6 horas da manhã, horário de Bagdá (1 da manhã no Brasil), segundo informações de uma fonte do alto escalão do governo iraquiano. A informação da agência de notícias Associated Press é mais uma entre outras desencontradas sobre a execução da sentença de morte de Saddam, anunciada no começo de novembro por uma corte de Bagdá. O horário foi estipulado durante uma reunião entre autoridades dos EUA e do Iraque, segundo a fonte, que não quis se identificar por não estar autorizada a falar com a imprensa. "O horário foi estipulado. Será realizado até as seis da manhã (horário local)", disse a fonte. "O acordo entre as partes foi alcançado durante uma reunião entre autoridades americanas e iraquianas. Saddam será entregado logo antes da execução". Local não é conhecidoA guerra de informações e as versões diferentes envolveram também quem estaria em poder do ex-ditador. As notícias começaram após declarações desencontradas de advogados e juízes envolvidos com o julgamento.Segundo o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Tom Casey, Saddam Hussein ainda estava sob custódia dos Estados Unidos nesta sexta-feiraUma autoridade norte-americana em Bagdá havia dado a mesma informação à agência de notícias Reuters. As declarações negam notícias de que o Exército dos EUA entregou o ex-ditador a autoridades iraquianas para ser enforcado.Defesa de SaddamPoucas horas antes da execução, advogados de Saddam Hussein pediram à Justiça dos EUA que suspenda a execução, segundo a agência Reuters.De acordo com os advogados, o ex-ditador é réu em um processo civil nesse tribunal e não teve a oportunidade de se defender. "Saddam Hussein não foi informado da ação civil contra ele, não foi avisado sobre seus direitos e não foi autorizado a ter assistência jurídica em sua defesa na ação civil", disseram os advogados na petição.Segundo eles, Saddam teria o direito constitucional de se defender, e o tribunal tem autoridade para garantir o respeito aos direitos jurídicos do réu."Os advogados do sr. Hussein receberam permissão do governo dos Estados Unidos, que mantém a custódia única sobre o sr. Hussein, a se reunirem e conversarem com ele em 4 de janeiro de 2006 a respeito da ação civil, mas agora parece que o governo iraquiano busca aplicar a sentença de morte antes que os advogados do sr. Hussein possam se encontrar e conversar com seu cliente", escreveram.Saddam foi condenado à morte em 5 de novembro pelo massacre de 148 xiitas na aldeia de Dujail, em 1982, o que foi considerado crime contra a humanidade. Conteúdo atualizado às 21h03

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.