Saddam se propõe a devolver documentos e bens do Kuwait

Tentando evitar um ataque dos Estados Unidos, o presidente do Iraque, Saddam Hussein, dá sinais de que poderá devolver os documentos oficiais do Kuwait e outros bens do país roubados por Bagdá durante a Guerra do Golfo, em 1991. Hoje, representantes da ONU e do governo iraquiano iniciaram conversações sobre como deveria ocorrer a devolução. Segundo o Kuwait, durante a ocupação iraquiana, que durou sete meses entre 1990 e 1991, documentos oficiais do Ministério das Relações Exteriores e do gabinete do primeiro-ministro foram levadas a Bagdá pelas tropas de Saddam Hussein. Além dos documentos, os invasores ainda levaram informações eletrônicas sobre as forças armadas do Kuwait e peças de valor do Museu Islâmico, no território do Kuwait. Na avaliação da ONU, a devolução será um passo importante para que os dois países possam, em algum momento, estabelecer relações diplomáticas. Desde o conflito, há quase 12 anos, Kuwait e Iraque não possuem tipo de relação oficial. Aparentemente, porém, o que mais interessa a Bagdá não é apenas a normalização das relações com o Kuwait, mas dar sinais à comunidade internacional de que o regime de Saddam Hussein está disposto a cooperar e evitar uma guerra. Nesta sexta-feira, a missão da ONU segue para o Kuwait para levar as informações sobre os documentos e bens do país ainda sob o controle de Bagdá. Na opinião dos funcionários das Nações Unidas o Kuwait poderá receber suas propriedades nas próximas semanas.

Agencia Estado,

15 Agosto 2002 | 15h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.