Saddam temia mais Teerã que Washington

Medo do Irã fez iraquiano dizer que tinha armas de destruição em massa

Ap e Reuters, WASHINGTON, O Estadao de S.Paulo

03 de julho de 2009 | 00h00

O ex-presidente iraquiano Saddam Hussein disse ao FBI, em 2004, que permitiu que o mundo acreditasse que seu país tivesse armas de destruição em massa porque temia parecer fraco perante o Irã. O ditador afirmou ainda que Osama bin Laden era um "fanático" e negou que tivesse qualquer ligação com a Al-Qaeda. As informações, divulgadas pelo jornal The Washington Post, foram obtidas durante 20 interrogatórios formais e 5 "conversas informais". Saddam disse que se sentia tão vulnerável com a ameaça de "líderes fanáticos" no Irã que estava disposto a negociar "um acordo com os EUA para proteger o Iraque". O ex-presidente George W. Bush invadiu o Iraque, em 2003, alegando que Saddam tinha armas de destruição em massa e laços com a Al-Qaeda. O vice-presidente dos EUA, Joe Biden, chegou ontem a Bagdá para visitar soldados e se reunir com líderes iraquianos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.