SAIBA MAIS-Perspectivas para a Coréia do Norte pós-Kim Jong-il

As especulações sobre a saúde dolíder norte-coreano Kim Jong-il, de 66 anos, leva também aquestões sobre quem poderia sucedê-lo. Kim faltou naterça-feira ao desfile de aniversário do país, e uma autoridadede inteligência dos EUA afirmou que ele pode ter sofrido umderrame. A seguir, alguns cenários apresentados por especialistasdos EUA, que alertam que ninguém sabe quem vai liderar a Coréiado Norte após Kim, ou mesmo se o Estado comunista poderásobreviver a ele. -- SUCESSÃO DINÁSTICA -- Kim Jong-il, que herdou em 1994 opoder de seu pai, Kim Il-sung, fundador do Estado, poderianomear como sucessor um dos seus três filhos. Kim Jong-nam, 37anos, e seus meio-irmãos Kim Jong-chol, 26, e Kim Jong-eun,nascido em 1983, receberam educação de elite na Coréia do Nortee na Europa. Mas, ao contrário do pai, nunca foramidentificados como sucessores dinásticos, nem passaram décadasgalgando cargos políticos. Jang Song-taek, 62 anos, cunhado dodirigente, também é citado como possível sucessor, mesmo queinterino. -- REGIME MILITAR -- Kim Jong-il preside a ComissãoNacional de Defesa e seu Exército Popular, com 1 milhão deintegrantes, além de ser o chefe do Partido dos Trabalhadoresda Coréia. Em seus 14 anos no poder, Kim adotou uma doutrinaque prioriza as Forças Armadas, consideradas a defesa contra omundo exterior. Há entretanto divisões entre gerações e entrefacções leais a um ou outro dos filhos de Kim. -- LIDERANÇA COLETIVA -- Um dos três filhos de Kim, seucunhado Jang ou o veterano vice-líder Kim Yong-nam, de 80 anos,poderia se tornar o líder simbólico de uma liderança coletivaexercida a partir do Partido dos Trabalhadores da Coréia, daComissão Nacional de Defesa ou de uma coalizão desses grupos. -- ABSORÇÃO PELA CORÉIA DO SUL -- A economia da Coréia doNorte só funciona com ajuda externa, especialmente da rivalhistórica Coréia do Sul. Alguns analistas sugerem que, sem aliderança de Kim, a Coréia do Norte perderá legitimidade comoEstado e pode ser absorvida à Coréia do Sul, que tem o dobro dapopulação e é muito mais rica. A Coréia do Sul reluta emassumir o ônus do eventual colapso norte-coreano, e paraevitá-lo envia ajuda e investimentos. -- SEGURANÇA NUCLEAR -- A Coréia do Norte, que em outubrode 2006 realizou o teste subterrâneo de uma arma nuclear,supostamente tem urânio para 6 a 10 ogivas atômicas, obtidas emcentrífugas que começam a ser desmanteladas sob um acordomultilateral. Mas o real tamanho e a localização desse arsenalatômico é um segredo muito bem guardado, que será uma questãode urgente preocupação em qualquer cenário pós-Kim. (Por Paul Eckert)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.