SAIBA MAIS-Política de Obama para a América Latina

Confira algumas das principais políticas prometidas pelo presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama, para a América Latina, durante a campanha eleitoral: DIPLOMACIA - Obama planeja reforçar as relações com a América Latina. Ele diz que o governo Bush negligenciou a região devido a seu foco "míope" no Iraque, o que reduziu a influência e a credibilidade dos Estados Unidos e criou um vácuo preenchido pela ascensão de líderes anti-americanos. Obama promete ter um estilo menos agressivo. COMÉRCIO - Obama se opôs ao tratado de livre comércio com a Colômbia, que está pendente, porque a Colômbia não conseguiu conter a violência contra os líderes sindicais. Obama fala em "comércio justo" em vez de "comércio livre" e quer aperfeiçoar o Nafta, pacto de livre comércio com o México e o Canadá, a fim de proteger as defesas trabalhistas e ambientais. Especialistas dizem que Obama, assim como o ex-presidente Bill Clinton, provavelmente vai apoiar o livre comércio quando chegar ao poder. CUBA - Obama prometeu reverter as políticas de Bush e dar aos cubano-americanos direitos irrestritos de viagens a Cuba, além de também poderem mandar dinheiro aos familiares que vivem na ilha. Mas ele vai manter o embargo comercial de 46 anos, a fim de forçar uma transição democrática. Obama disse que está aberto para conversar com o líder cubano, Raúl Castro, mas não disse se imporia alguma condição para o encontro. VENEZUELA - Obama quer se encontrar com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, para um diálogo "respeitoso", a fim de tentar reduzir o sentimento anti-americano, estimulado por Chávez, na América Latina. Em seu mandato, a Venezuela continuará a ser um dos principais fornecedores de petróleo. COLÔMBIA - Obama apóia a continuidade dos programas de combate ao narcotráfico e guerrilhas de esquerda financiados pelos Estados Unidos. Ele apoiou o direito da Colômbia fazer operações contra rebeldes fora de suas fronteiras, como o que aconteceu em março, no Equador. MÉXICO - Obama apóia a ajuda norte-americana ao combate às drogas e aos crimes violentos no México e na América Central. IMIGRAÇÃO - Obama apoiou a construção de uma cerca de 1.070 quilômetros de extensão na fronteira entre o México e os Estados Unidos, para conter a imigração ilegal. Mas apóia a reforma das leis de imigração para ajudar a legalizar a situação de trabalhadores sem documentação. BRASIL - Obama apóia a imposição de uma tarifa sobre as importações de etanol do Brasil, o maior produtor de biocombustíveis do mundo. A tarifa é popular em muitos Estados norte-americanos produtores de grãos. ENVIADO ESPECIAL - Obama, que nunca visitou a América Latina, vai escolher um enviado especial para estabelecer contatos variáveis com líderes da região --o posto foi eliminado por George W. Bush. DÍVIDA - Obama apóia o perdão da dívida de países pobres como a Bolívia, a Guiana, o Haiti, Honduras e Paraguai. (Por Anthony Boadle)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.