Robyn Beck / AFP
Robyn Beck / AFP

Saiba quais foram os melhores momentos do debate entre Kamala Harris e Mike Pence

Resposta do país à pandemia do novo coronavírus foi o principal destaque do debate entre os candidatos a vice

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de outubro de 2020 | 09h35
Atualizado 08 de outubro de 2020 | 11h33

O debate entre os candidatos a vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence e a democrata Kamala Harris, realizado na noite de quarta-feira, 7, foi marcado pela resposta do país à pandemia do novo coronavírus e por diferenças nas campanhas em temas como as mudanças climáticas, a vacina contra a covid-19 e propostas para o crescimento econômico. 

De forma mais civilizada que o primeiro debate entre Donald Trump e Joe Biden na semana passada, marcado por ataques pessoais, Pence e Harris também falaram sobre a Suprema Corte e transição de poder após as eleições de 3 de novembro. 

Confira abaixo alguns dos principais pontos do debate entre os candidatos a vice-presidente dos Estados Unidos. Neste ano, o evento ganhou mais importância porque tanto Trump, de 74 anos, quanto Biden, de 77, seriam as pessoas mais velhas a tomar posse como presidente. 

Pandemia do novo coronavírus

Kamala Harris iniciou destacando o fato de os EUA serem o país com mais mortes decorrentes da covid-19 - 211 mil - e disse que Trump representa "o maior fracasso de qualquer administração presidencial na história de nosso país". "Eles sabiam o que estava acontecendo e não disseram a você". 

O próprio presidente Donald Trump esteve infectado no último final de semana, o que aumentou a sensibilidade do tema, desde o início um dos grandes focos da campanha democrata. Pence respondeu citando a proibição parcial de viagens da China que Trump no início deste ano, quando o vírus estava começando a se espalhar para os Estados Unidos, e sobre os esforços para produzir uma vacina.

Pence não expressou arrependimento por fazer parte da cerimônia de nomeação da Casa Branca para a juíza Amy Coney Barrett, a escolha de Trump para a Suprema Corte, onde os participantes estavam amontoados, muitos sem máscaras. Entre os sem máscara: Trump, que depois testou positivo para o vírus, e Pence, que é o chefe da força-tarefa da Casa Branca sobre o coronavírus. 

Na avaliação de Roberto Goulart Menezes, professor de relações internacionais e pesquisador do Instituto Nacional de Estudos sobre os EUA, Harris teve êxito ao insistir no fato de que Trump escondeu informação dos americanos. "A população nos EUA têm essa imagem de uma sociedade que não é corrupta, que não tolera mentiras, e Kamala Harris teve sensibilidade de destacar esse tema que pegou muito forte no Pence". 

Vacina

Assim como Donald Trump, Mike Pence afirmou que uma vacina contra a covid-19, que já infectou 7,5 milhões de americanos, chegará em tempo recorde. Sem evidências, Trump promete que haverá uma vacina disponível nas próximas semanas. 

Kamala Harris respondeu que confiaria em uma vacina aprovada infectologista Anthony Fauci, principal autoridade em doenças infecciosas dos Estados Unidos, mas não em uma anunciada por Trump. 

Suprema Corte

Harris não respondeu a uma pergunta frequente: aceitaria a ideia de expandir a Suprema Corte, como os democratas progressistas pediram? Pence pediu a Harris várias vezes para responder à pergunta, e ela recusou. Esta é a mesma postura que Biden adotou anteriormente, na base de que criaria uma distração de curto prazo beneficiando Trump na eleição.

Dar uma resposta direta sobre a expansão da Suprema Corte geraria manchetes que a campanha de Biden provavelmente preferiria evitar - mas os democratas também foram cautelosos sobre seus planos de governo em certas questões. Se Biden vencer, tanto os democratas moderados quanto os progressistas esperariam ser ouvidos no Salão Oval, e ele enfrentaria pressão para aplacar as duas alas do partido.

Economia e mudanças climáticas 

Pence disse que os democratas aumentarão os impostos dos americanos e atacou os planos de criar um 'Green New Deal'. "Mais impostos, mais regulamentação, abolição de combustíveis fósseis e rendição econômica à China são uma receita para o declínio econômico", disse Pence sobre os planos de Biden, dizendo que eles aumentariam os custos de energia para as famílias americanas. Pence se recusou a responder se vê as mudanças climáticas como uma ameaça existencial.

Kamala afirmou que o governo Trump não usa a ciência nem evidências ou fatos para basear suas políticas públicas. "Vimos um padrão neste governo que eles não acreditam na ciência", disse Harris. "Vamos falar sobre quem está preparado para liderar nosso país nos próximos quatro anos no que é uma ameaça existencial para nós como seres humanos". Pence respondeu que o presidente se preocupa com ar limpo e água limpa e "fez um compromisso com a conservação e com o meio ambiente.'' 

Para o professor Goulart Menezes, Kamala Harris conseguiu priorizar temas sociais, como a desigualdade e o acesso à universidade, e vinculá-los com geração de emprego e renda. "Ela também mostra que o Partido Democrata está unido em torno de uma candidatura, já que alguns dos temas abordados eram bandeiras de Bernie Sanders e de Elizabeth Warren (que disputaram as primárias democratas)". 

Relação com a China

A disputa pela hegemonia global com a China também foi destacada pelos candidatos. Harris disse que os EUA perderam a guerra comercial. "Os Estados Unidos perderam 300 mil empregos na indústria. Os agricultores entraram em falência por causa disso. Estamos em uma recessão na indústria por causa disso", disse. 

"Joe Biden nunca lutou (contra a China). Joe Biden tem sido um líder de torcida da China comunista nas últimas décadas", respondeu Pence. 

"Você tem que saber quem são seus adversários e mantê-los sob controle. Mas o que vimos com Donald Trump é que ele traiu nossos amigos e abraçou ditadores em todo o mundo. Vejamos, por exemplo, a Rússia", acusou Harris. No mês passado, o diretor do FBI disse que há esforços 'muito ativos' da Rússia para interferir na eleição dos EUA de modo a prejudicar Joe Biden e favorecer Trump.

Para Goulart Menezes, da UnB, ao apelar para o fato de os EUA estarem perdendo a liderança global que conquistaram ao longo das décadas e a guerra comercial contra a China, Harris foca no nacionalismo dos americanos. "É algo que mexe com o cidadão na hora do voto", avalia, reconhecendo a divisão na sociedade americana. 

Transição pacífica de poder

Mike Pence também defendeu Trump em uma questão crítica: ele se esquivou da pergunta sobre o que faria se o presidente perdesse a eleição e não se comprometesse com uma transferência pacífica do poder. "Em primeiro lugar, acho que vamos ganhar esta eleição", disse Pence. 

O vice-presidente também afirmou que Biden e Harris estavam tentando mudar as regras das eleições para permitir a fraude eleitoral. Nos momentos finais do debate presidencial da semana passada, em outra tentativa de alimentar a incerteza sobre a integridade da eleição, Trump afirmou - sem nenhuma base - que as cédulas de seus partidários foram lançadas nos rios. 

Mosca

O momento de maior destaque nas redes sociais foi quando, por cerca de dois minutos, uma mosca pousou em cima do cabelo de Pence. A campanha de Biden já estava vendendo um mata-moscas uma hora após a conclusão do debate.  / Paulo Beraldo, com informações do W. Post e NYT 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.