Saída de ministra da Saúde é festejada

?Dra. Beterraba? era criticada por indicar legumes para tratar soropositivos

AP E REUTERS, O Estadao de S.Paulo

27 de setembro de 2008 | 00h00

Ativistas que lutam contra a aids celebraram ontem a saída da ministra da Saúde da África do Sul, Manto Tshabalala-Msimang, destituída na quinta-feira pelo novo presidente, Kgalema Motlanthe. Num país que têm o maior número de soropositivos do mundo (5,5 milhões), Manto é acusada de agravar o problema ao promover o uso de suplementos nutricionais em vez de medicamentos tradicionais no tratamento da aids.A ex-ministra dizia que não confiava nos anti-retrovirais e preferia fórmulas caseiras, com alho, azeite, limão, batata e outros legumes. Suas recomendações lhe renderam o apelido de "Dra. Beterraba" - seu ingrediente preferido para tratar soropositivos -, e a tornaram o alvo preferido dos cartunistas. Manto, que foi substituída por Barbara Hogan, rejeitou as acusações. "Quem me critica é a imprensa, que não tem noção do problema. Estou feliz com o novo desafio", disse a ex-ministra, que assumirá um cargo mais baixo no governo, o de chefe de Comunicações."Dezenas de milhares de sul-africanos morreram por causa das políticas ridículas do governo para lidar com a aids", disse, em comunicado, o partido opositor Aliança Democrática. "Ela deveria ter saído há nove anos."A demissão de Manto indica que Motlanthe - que substituiu o ex-presidente Thabo Mbeki - vai alterar a criticada conduta do governo em relação à doença.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.