Abir Sultan / EPA / EFE
Abir Sultan / EPA / EFE

Saída de tropas americanas da Síria preocupa israelenses

Líderes temem que Irã possa reforçar sua presença no território sírio, vizinho de Israel

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de dezembro de 2018 | 14h43

Os líderes israelenses elogiam Donald Trump há dois anos em razão de uma série de decisões favoráveis a seu país, mas o anúncio por parte do presidente americano de retirar suas tropas da Síria causa preocupação a esse grupo. Os israelenses temem que seu inimigo Irã possa agora reforçar sua presença no território sírio, vizinho de Israel, segundo analistas. 

De maneira oficial, as reações são divididas. Os dirigentes, liderados pelo premiê Binyamin Netanyahu, afirmaram que respeitam a decisão de seu grande aliado americano e se comprometeram a defender os interesses de Israel mais do que nunca. Contudo, as declarações públicas não escondem o temor de que Teerã possa se aproveitar do momento para expandir sua influência na Síria, e de que a Rússia, um dos principais atores na região, não se comprometa a frear esta expansão. 

Eles também avaliam como esta decisão foi tomada e anunciada por Trump, assim como a renúncia do secretário de Defesa, Jim Mattis. “Queremos que os Estados Unidos sejam fortes já que este país é nosso principal aliado e queremos que nosso aliado seja visto como forte e eficaz na região”, afirmou Eyal Zisser, vice-diretor da Universidade de Tel-Aviv e especialista em temas sírios.

“O que preocupa alguns israelenses é a mensagem que esta decisão transmite à região, a forma como foi tomada e o que há por trás”, resume. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.