Saída do Mercosul provoca incertezas no Uruguai

O anúncio do presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, de que seu país se prepara para deixar o Mercosul, gerou hoje um clima de incerteza, apesar de não surpreender os uruguaios.Vázquez anunciou a decisão pela TV, de Washington, onde está em visita oficial. Ele explicou que está estudando uma renúncia à condição de membro pleno do bloco, fundado há 15 anos com Brasil, Argentina e Paraguai. Ele pretende adotar o status de país associado, como Chile, Bolívia e Peru, além da Venezuela, que está em processo de integração plena.O presidente adiantou que, quando voltar para Montevidéu, vai se reunir com todas as forças políticas do país, para que a saída seja resultado de um amplo consenso. Câmaras empresariais e sindicatos de trabalhadores também serão ouvidos. Vázquez anunciou a saída numa entrevista ao enviado do Canal 10 de Montevidéu a Washington. No entanto, outros meios disseram que membros da delegação presidencial foram mais cautelosos ao comentar a retirada do Mercosul.No entanto, ninguém no país parece se surpreender. Governo, oposição, imprensa, industriais, exportadores e importadores concordam que o Mercosul "não funciona", "não serve" e que só existe para que "Argentina e Brasil o usem como bem entendem". O próprio Vázquez disse hoje ao Canal 10 que o Mercosul "é um problema, e não uma solução para o Uruguai".O conflito com a Argentina por causa das fábricas de celulose e o fato de que o Governo de Néstor Kirchner, que preside temporariamente o bloco, não tenha atendido a um pedido uruguaio para tratar o assunto no Mercosul, contribuíram para uma visão negativa.O Uruguai pediu a convocação do Conselho do Mercosul, mas a Argentina decidiu que o assunto era "bilateral". Na última reunião do Mercosul, os representantes uruguaios receberam o apoio dos outros membros para que o conflito fosse resolvido pelo bloco. A Argentina desmentiu o Uruguai e disse que brasileiros e paraguaios rejeitaram a proposta. O Governo de Vázquez contestou com a publicação da ata da reunião. No documento, Brasil e Paraguai aprovam a convocação do Conselho.Uma semana depois, uma reunião dos presidentes da Argentina, Brasil e Venezuela, em São Paulo, levou a uma mudança da posição brasileira, o que incomodou o Uruguai. Os bloqueios das pontes que unem o Uruguai e a Argentina, em protestos de manifestantes argentinos contrários à construção das fábricas de celulose, têm sido denunciados como violações do princípio da livre circulação, exposto nos tratados do Mercosul.O Uruguai calcula suas perdas no conflito em US$ 400 milhões. Assim, foi com naturalidade que o país recebeu as declarações de Vázquez. Ele disse ao Canal 10 que as relações no Mercosul "são permanentes fontes de problemas" e que o país tem o "leque de oportunidades representado pelo resto do mundo". Segundo Vázquez, o modelo para o Uruguai no futuro "é o do Chile,um país moderno e aberto ao mundo". O presidente uruguaio elogiou o Tratado de livre-comércio assinado com o México em 2004. Agora, ele pretende chegar a um bom acordo também com os Estados Unidos. Na quinta-feira, vai se reunircom George W. Bush e espera conseguir "os melhores resultadosPossíveis".Vázquez revelou sua intenção de assinar acordos de livre-comércio com qualquer país que se interessar. Depois de um tratado comercial com a União Européia, os próximos alvos seriam países árabes, como o Marrocos e os Emirados Árabes Unidos. Além disso, para 2007 ele prepara uma viagem pela Ásia, onde, segundo "há um enorme mercado para os produtos uruguaios".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.