Sakineh pode ser executada em breve, alerta Anistia

A Anistia Internacional emitiu ontem um alerta de que Sakineh Ashtiani, iraniana condenada à morte, pode ser executada "a qualquer momento". Contrariando as declarações do governo iraniano - que indicou que ela não seria apedrejada e sim enforcada -, a entidade afirmou que a sentença de morte por apedrejamento continua em vigor.

AE, Agência Estado

12 de agosto de 2010 | 07h21

Sakineh foi condenada por adultério, mas depois teve seu caso revisado e passou a ser acusada também pelo assassinato do marido. Teerã afirmou que ela só teria a vida poupada se a família da vítima a perdoasse. No entanto, para a Anistia Internacional, a suposta revisão do processo seria apenas uma forma para desviar a atenção que outros países e grupos de direitos humanos manifestaram pelo caso.

A reportagem apurou que a sentença final seria anunciada hoje. Mas diante da pressão internacional cada vez maior, o governo adiou mais uma vez o anúncio e indicou que o veredicto pode ser conhecido no domingo. Organizações não-governamentais (ONGs) acusam Teerã de estar distorcendo as informações. "Isso é uma manipulação", afirmou Mina Ahani, refugiada iraniana na Europa que coordena o grupo de apoio a Sakineh. "Trata-se de um governo fascista que muda regras dependendo da conveniência."

De acordo com ela, a família do marido assassinado, por meio de seu próprio advogado, já declarou que não quer o enforcamento de Sakineh. "A Justiça já sabe dessa posição. Não há por que ainda ter alguma dúvida. Se era só disso que dependia a vida de Sakineh, então estaria tudo resolvido." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.