Saleh anuncia planos de deixar Iêmen e ir para os EUA

O contestado presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh, disse a jornalistas ontem que pretende viajar para os Estados Unidos nos próximos dias com o objetivo de criar condições para uma prometida transição de poder no país árabe. "Viajarei para os Estados Unidos nos próximos dias, não para tratamento médico, pois estou bem de saúde, mas para criar condições favoráveis para as eleições presidenciais" marcadas para 21 de fevereiro, disse ele durante entrevista coletiva concedida em Sanaa, a capital iemenita.

AE - AP, Agência Estado

25 de dezembro de 2011 | 08h34

Há mais de três décadas no poder, Saleh já havia prometido em diversas ocasiões, nos últimos meses, permitir o andamento de uma transição no país. O anúncio de ontem, porém, foi feito horas depois de forças de segurança comandadas por um filho e um sobrinho de Saleh terem aberto fogo contra um protesto que reunia mais de 100 mil manifestantes.

Pelo menos oito pessoas morreram e dezenas ficaram feridas, depois que a poderosa guarda republicana do Iêmen abriu fogo com armas, gás lacrimogêneo e canhões de água contra uma marcha de manifestantes que exigiam que o presidente iemenita seja posto em julgamento.

A violência põe em relevo a contínua turbulência no Iêmen mesmo depois de Saleh ter assinado no mês passado um acordo, patrocinado pelos Estados Unidos e pela Arábia Saudita, pelo qual ele entregaria o poder ao seu vice-presidente e se comprometeria a renunciar completamente em troca de imunidade. Os manifestantes, que vêm protestando aos milhares nos últimos nove meses, rejeitaram esse acordo, exigindo que Saleh seja julgado pela reação violenta que adotou contra a oposição.

Tudo o que sabemos sobre:
Iêmencrisetransição

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.