Saleh, do Iêmen, pede 'diálogo' em discurso na TV

Com aspecto irreconhecível, presidente fez primeira aparição desde tentativa de assassinato

estadão.com.br,

07 de julho de 2011 | 14h45

Atualizado às 16h14

 

Na TV nesta quinta, Saleh tem aspecto irreconhecível, com queimaduras e ataduras

 

SANAA - O presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh, apareceu nesta quinta-feira, 7, na televisão oficial do país pela primeira vez desde que foi gravemente ferido em um ataque em junho. Na fala, Saleh teve um discurso apaziguador.

 

Veja também:

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

Com aspecto irreconhecível, quase sem se mover e exibindo sinais aparentes de queimaduras pelo corpo, o líder disse que apoia a participação de "todas as forças políticas" do Iêmen no diálogo para que o país deixe a crise.

 

Saleh disse ainda que foi submetido "com sucesso a oito cirurgias" desde que foi hospitalizado em Riad, capital saudita. Ele afirmou que apoia os "esforços" do vice-presidente iemenita, Abd Rabo Mansur Hadi, que assumiu o poder interinamente em seu lugar, para alcançar "um entendimento político". Saleh também atacou aqueles que querem "derrubá-lo do poder", dizendo que eles têm uma "compreensão incorreta da democracia".

 

O presidente recebe tratamento médico na Arábia Saudita, onde se exilou logo após ser ferido em um ataque contra a mesquita do palácio presidencial na capital, Sanaa, em 3 de junho. Segundo a AFP, o presidente tem "o rosto e as mãos queimados e o peito coberto de gazes".

 

O discurso foi anunciado mais cedo pela TV Al Arabiya, citando fontes do governo iemenita. Saleh, no poder há quase 33 anos, enfrenta uma rebelião popular desde janeiro, e resiste à pressão dos EUA e da Arábia Saudita para renunciar.

 

A ausência do presidente gerou uma série de teorias sobre seu estado de saúde. As revoltas populares deram lugar a confrontos violentos no país, entre as tropas fiéis ao regime e as forças de um poderoso chefe tribal iemenita.

 

Com Efe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.