Salvadorenho confessa que ajudou terrorista

Um imigrante ilegal salvadorenho se declarou hoje culpado por ter ajudado um dos seqüestradores de um aviões usados nos ataques terroristas de 11 de setembro a conseguir uma identidade falsa. Perante o tribunal federal do distrito de Alexandria, na Virginia, Víctor López Flores se declarou culpado também de voltar ilegalmente aos EUA após ser deportado. Por esses delitos ele pode ser condenado a uma pena de até 35 anos de prisão e a multa de até US$ 500 mil. A sentença será promulgada em 2 de fevereiro próximo. Na declaração de culpa, López Flores disse ter testemunhado falsamente, em 2 de agosto, que Ahmed Alghamdi morava com ele em Alexandria. Alghamdi, que estava a bordo de um dos aviões que se espatifaram contra o World Trade Center, usou o certificado de residência avalizado por López Flores para obter uma cédula de identificação do Departamento de Automotores da Virginia um mês antes dos atentados. Os promotores disseram que Alghamdi pagou US$ 100 a López Flores pela ajuda. O salvadorenho, que havia sido deportado dos EUA em 1993 após ser condenado por um delito, reconheceu que desde maio passado havia ajudado pelo menos 20 pessoas a obter certificados de identificação na Virginia.López Flores é a segunda pessoa naquele estado americano a se declarar culpada por acusações resultantes das investigações sobre as cédulas de identidade falsas. As autoridades disseram que nenhum dos quatro acusados por esses casos sabia da existência de planos para os atentados terroristas.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.