Salvadorenhos protestam contra homenagem a Pinochet

Uma proposta apresentada no Congresso para se respeitar um minuto de silêncio em homenagem ao falecido ex-ditador chileno Augusto Pinochet levou legisladores esquerdistas a abandonar a sessão, dizendo que os conservadores deveriam se envergonhar por apresentar tal proposta.Cerca de 50 congressistas, muitos da conservadora Aliança Republicana Nacional, ou Arena, respeitaram um minuto de silêncio por Pinochet, que morreu no domingo aos 91 anos. Os parlamentares também homenagearam Jeane J. Kirkpatrick, antiga embaixadora americana na ONU na administração Reagan que morreu em 8 de dezembro aos 80 anos.Mas 31 congressistas da esquerdista Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional, ou FMLN, abandonaram o legislativo unicameral em protesto."Não, senhores, não podemos acompanhá-los neste momento de provocação e vergonha", disse o congressista Sigfrido Reyes, da FMLN. "Vocês deveriam se envergonhar dessa proposta."Norman Quijano, da Arena, defendeu que a proposta não significava desculpar "sob qualquer circunstância os atos violentos ocorridos sob o governo do general Pinochet"."Lamentamos que uma simples proposta por um minuto de silêncio por uma pessoa que já foi julgada por Deus desperte tal rancor da parte da esquerda radical neste país", acrescentou.De 1980 a 1992, El Salvador enfrentou uma guerra civil entre forças de direita e esquerda que deixou estimados 75.000 mortos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.