Miguel Medina/Agence France-Presse
Miguel Medina/Agence France-Presse

Salvini declara 'guerra à maconha' e divide coalizão na Itália

Ministro do Interior quer acabar com 'maconha light', versão da droga com até 0,2% de THC vendida em lojas de todo o país; líder diz que se for para legalizar algo, 'que seja a prostituição'

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2019 | 15h53

ROMA – O ministro do Interior e vice-primeiro-ministro da Itália, Matteo Salvini, declarou guerra à maconha e anunciou o fechamento de três lojas de produtos derivados da cannabis na quinta-feira, 9. O atual governo italiano é composto por uma coalizão de dois partidos com quase nada em comum, e a questão opõe a Liga, partido de Salvini, ao Movimento 5 Estrelas (M5S), do premiê Giuseppe Conte. A questão é levantada em meio à corrida para o Parlamento Europeu, com eleições neste mês. 

O líder da Liga quer fechar outras lojas, incluindo as que vendem legalmente itens derivados da maconha com THC (Tetraidrocanabinol) dentro do limite legal de 0,2%. A chamada “maconha light” é permitida na Itália desde janeiro de 2017, o que deu impulso à abertura de estabelcimentos em toda a península. 

"A droga faz mal, se for preciso legalizar ou liberalizar alguma coisa, melhor a prostituição, uma vez que o amor faz sempre bem, principalmente de maneira protegida e controlada", declarou Salvini. Por sua vez, o Movimento 5 Estrelas tem um projeto para legalizar o cultivo e a venda de maconha.

Matteo Mantero, deputado do M5S, propôs em janeiro seguir os passos de países como Uruguai e Canadá e legalizar a produção para uso pessoal e recreativo. À época, o líder do partido, Luigi Di Maio, chamou a iniciativa de “uma boa ideia”.  

"Não vejo motivo para fechar as lojas. O Estado deve estar próximo às pequenas e médias empresas", criticou o vice de Salvini no Ministério do Interior, Carlo Sibilia, do M5S. Já a ministra da Saúde Giulia Grillo, também do movimento, disse que os negócios de "cannabis light" não vendem droga. Um dos pontos do partido sobre a descriminalização são as máfias e seu papel no tráfico ilegal. 

Em contrapartida, Salvini pretender fechar o cerco contra a maconha: "A partir de hoje, começa uma guerra rua por rua, loja por loja, bairro por bairro, cidade por cidade", acrescentou. O ministro define esses estabelecimentos como "pontos turísticos da maconha" e os acusa de vender cannabis com níveis de THC acima do permitido por lei.

Uma pesquisa online do serviço de televisão Sky G 24 no final do ano passado apontou que os italianos são amplamente favoráveis a uma política mais relaxada no uso recreativo da droga. No próximo sábado, 11, Roma receberá uma grande manifestação de defensores da erva, que alegam que a legalização é a melhor maneira de combater o tráfico de drogas. Atualmente, o cultivo da planta é proibido na Itália até mesmo para fins terapêuticos. 

Nesta sexta-feira, 10, a duas semanas das eleições europeias, no último dia permitido para sondagens, as pesquisas indicam que a Liga segue como o primeiro partido, mas parou de registrar crescimento.  O partido tem mais de 30% das intenções de votos, enquanto que o Movimento 5 Estrelas se recuperou, e se situa entre 23% e 25%, seguido pelo Partido Democrático (PD), com entorno de 20% do eleitorado. / BLOOMBERG e ANSA 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.