Sánchez de Lozada assume presidência da Bolívia

Em seu discurso de posse, o presidente liberal Gonzalo Sánchez de Lozada, de 72 anos, pediu a unidade nacional e prometeu combater a profunda crise econômica e pobreza que afeta mais de 60% dos bolivianos, nesta terça-feira, diante do Congresso da Bolívia. Ele também prometeu derrotar a corrupção, que "causa a marginalidade" e conclamou seus partidários e opositores a restabelecer o crescimento econômico, proteger os desamparados e devolver ao povo a confiança perdida. Lozada prestou juramento hoje como presidente da Bolívia depois de vencer as eleições de junho e de ser ratificado no cargo pelo Congresso. A cerimônia de posse teve a participação de mais de 100 convidados estrangeiros, entre eles os presidentes da Venezuela, Hugo Chávez, do Peru, Alejandro Toledo e do príncipe Felipe, da Espanha. Em seu primeiro governo (1993-1997), Lozada levou adiante várias reformas econômicas e sociais, como a capitalização das empresas estatais e a reforma da educação. Agora, ele pretende criar medidas de impacto microeconômico que permitam a circulação de recursos e contenham o descontentamento social. Lozada disse em seu discurso que consultará o povo sobre as planejadas exportações de gás liquefeito aos EUA e México, por meio de um porto do Chile ou do Peru. Ele anunciou que criará um ministério para definir como será realizada a exportação da recém-descoberta reserva de gás.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.