Sanções à Rússia não devem ser anunciadas hoje

É pouco provável que novas sanções contra a Rússia sejam anunciadas nesta sexta-feira pela administração Obama uma vez que os EUA continuam a negociar com a União Europeia quais medidas podem ser tomadas para punir o presidente Vladimir Putin por conta das operações militares na fronteira com a Ucrânia, disseram altos funcionários do governo norte-americano.

AE, Agência Estado

25 de abril de 2014 | 13h45

Autoridades norte-americanas disseram que já identificaram uma lista de indivíduos russos e ucranianos que são cúmplices no que Washington diz ter sido uma campanha de desestabilização contra o governo interino de Kiev. A lista inclui os funcionários do governo russo, bem como empresários e companhias próximas a Putin.

O impasse entre os EUA e os líderes europeus é o de exatamente quais entidades russas deveriam ser alvo das sanções, de acordo com essas autoridades. "Agora parece que o processo irá demorar um pouco mais", disse um oficial sênior dos Estados Unidos, que destacou ainda que as sanções devem ser impostas nos próximos dias.

Em um comunicado emitido após a teleconferência, as potências ocidentais reafirmaram o compromisso de continuar com as discussões a respeito de novas sanções à Rússia nos próximos dias e mais uma vez culparam o governo de Vladimir Putin pela escalada da violência na Ucrânia. "Os líderes concordaram que a Rússia não correspondeu, inclusive nem apoiou publicamente, o acordo de Genebra. Os russos não convidaram os grupos para largarem as armas e desocuparem os prédios dos governo", diz o relato. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
EUARússiasanções

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.