AFP PHOTO / POOL / Kazuhiro NOGI
AFP PHOTO / POOL / Kazuhiro NOGI

Sanções continuarão em vigor até a desnuclearização da Coreia do Norte, diz Pompeo

Secretário de Estado americano afirma que caminho até o cumprimento de acordo entre Trump e Kim Jong-un será 'difícil' e 'desafiador'

O Estado de S.Paulo

08 Julho 2018 | 03h29

TÓQUIO - O Secretário de Estado americano, Mike Pompeo, afirmou neste domingo, 8, que as sanções dos Estados Unidos contra a Coreia do Norte continuarão em vigor até a completa desnuclearização da península coreana. O chefe da diplomacia de Washington esteve em Pyongyang na sexta-feira e no sábado discutindo os termos do acordo firmado entre Donald Trump e Kim Jong-un, na histórica cúpula realizada entre os dois líderes em Cingapura.

+ Mike Pompeo chega a Pyongyang para tratar de desnuclearização

"Apesar de estarmos animados com os avanços das negociações, elas sozinhas não justificam uma suavização das sanções existentes", declarou Pompeo aos ministros das Relações Exteriores do Japão e da Coreia do Sul, em Tóquio. Nesta sexta e sábado, o secretário de Estado esteve em Pyongyang e se reuniu com oficiais norte-coreanos. Em seguida, viajou para o Japão para um encontro com o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, em um gesto bem-visto pelos aliados de Washington na Ásia.

As conversas em Pyongyang não foram fáceis. Em uma declaração divulgada pela emissora oficial da Coreia do Norte, o ministro das Relações Exteriores do país disse estar "muito preocupado" pois as negociações levaram o acordo "à uma fase perigosa que pode prejudicar a vontade de desnuclearização que havia sido firmada" entre o presidente Donald Trump e o líder norte-coreano Kim Jong-un.

+ Inteligência americana acredita que Kim Jong-un tenta ocultar arsenal

"Nós tínhamos a expectativa que os Estados Unidos ofereceriam medidas que ajudariam a construir a confiança baseada no espírito do encontro entre os líderes", afirmava a declaração. "No entanto, a atitude e a vontade dos Estados Unidos foram lamentáveis". Uma das divergências listadas é o fim da guerra entre as duas Coreias, na qual Washington teria apresentado uma "série de condições e desculpas" para atrasar a declaração. Além disso, a Coreia do Norte afirma que ao explodir os túneis de acesso aos locais de testes nucleares, Pyongyang se comprometeu mais que o governo americano, que decidiu suspender exercícios militares na região. 

+ Kim Jong-un diz a chanceler russo que está comprometido com desnuclearização

Segundo Pompeo, as negociações sobre a desnuclearização serão difíceis e muito trabalho ainda precisa ser feito. Apesar disso, o secretário de Estado disse que as conversas foram produtivas.

"O caminho à frente será difícil e desafiador e nós sabemos que os críticos tentarão diminuir o que conquistamos", disse. "O presidente Trump e eu acreditamos que os esforços pela paz valem a pena." //ASSOCIATED PRESS, AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.