Sanções contra o Irã ameaçam a paz, diz Indonésia

O presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono, disse nesta sexta-feira, 23, que a imposição de sanções pesadas da ONU contra o Irã, devido ao programa nuclear do país, podem criar instabilidade no Oriente MédioYudhoyono disse que telefonou para os presidente do Irã e da África do Sul para debater a proposta de resolução da ONU sobre as sanções a Teerã, elaborada pela Alemanha e pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança. "Vemos que a situação do Oriente Médio já está muito tensa e cada medida em relação ao Irã ou a outros países do Oriente Médio, se não for pensada e calculada cuidadosamente, poderia criar novos problemas", disse Yudhoyono a repórteres. Indonésia e África dos Sul, que são dois dos 10 membros não permanentes do Conselho de Segurança, propuseram mudanças na proposta de resolução para tratar destas preocupações. Yudhoyono afirmou que disse para o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, trabalhar para reduzir a tensão e que a Indonésia está estudando a proposta de resolução com cuidado. A proposta de resolução rejeita quase todas emendas propostas pela África do Sul, mas pode ter mudanças antes da votação, prevista para este sábado. Entre as mudanças rejeitadas está o pedido da Indonésia e do Catar para a inclusão de incentivo a uma zona desnuclearizada no Oriente Médio, que os Estados Unidos negaram, supostamente por ser direcionada contra Israel. A proposta amplia as sanções adotadas em dezembro, proibindo a exportação de armas pelo Irã e congelando bens no exterior de mais 28 pessoas e instituições, incluindo comandantes da Guarda Revolucionária, companhias controladas por eles e do Banco estatal Sepah.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.