Sanções deixam porta aberta para o Irã negociar, diz Rússia

O objetivo das sanções adotadas pela Organização das Nações Unidas contra o Irã é convencer o país a retomar as negociações, e não puni-lo, disse nesta terça-feira, 27, o ministro das Relações Exteriores da Rússia. O Conselho de Segurança da ONU impôs no último sábado, 24, restrições à exportação de armas iranianas, bancos estatais e à Guarda Revolucionária de elite devido ao fato de Teerã não ter suspendido seu programa de enriquecimento de urânio. "Esperamos que a liderança iraniana receba o sinal contido na resolução...da maneira apropriada", disse Sergei Lavrov a repórteres em Moscou. "A resolução adotada pelo Conselho de Segurança é destinada a ajudar na retomada das negociações. Não quer servir como instrumento de punição ao Irã", afirmou. "A porta está aberta...espero que haja uma reação positiva (do Irã)."Sanções severasA Rússia, que tem poder de veto no Conselho de Segurança, apoiou a resolução, mas resiste aos esforços dos EUA pela imposição de sanções mais duras. Moscou afirma que não deseja que o Irã adquira uma arma nuclear, mas acredita que o contato, e não o isolamento, é a melhor opção. Em resposta às sanções, o Irã disse que suspenderá parcialmente a colaboração com a Agência Internacional de Energia Atômica da ONU (AIEA). Lavrov disse que aparentemente o Irã ainda não cumpriu a ameaça. "De acordo com nossa informação, e verificamos através dos nossos canais, não houve nenhum contato oficial neste sentido feito pelo Irã com a AIEA", disse Lavrov.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.