Sanções não afetaram programa nuclear do Irã, diz AIEA

O diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Yukiya Amano, declarou nesta terça-feira não haver evidências de que as sanções internacionais contra o Irã tenham afetado o programa nuclear do país, mesmo com os danos causados a sua economia.

AE, Agência Estado

20 de novembro de 2012 | 20h13

Segundo ele, observadores da agência "não veem nenhum efeito" causado pelas sanções e acreditam que o país ainda esteja produzindo urânio enriquecido, em escalas que vão de 5% a 20%, a uma "velocidade constante".

Amano disse também que a AIEA, subordinada à Organização das Nações Unidas (ONU), não tem condições de julgar no momento se o Irã planeja ou se conseguirá desenvolver uma arma nuclear no futuro próximo.

Nações ocidentais acusam Teerã de esconder a tentativa de produção de armas nucleares por trás de seu discurso de que o programa tem fins pacíficos.

Nesta quarta-feira, a comissária de política externa da União Europeia receberá representantes das seis potências que têm conduzido a negociação com o Irã (Estados Unidos, Rússia, China, França, Alemanha e Grã-Bretanha). As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Irãprograma nuclearAIEA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.