Sanções palestinas podem ser suspensas em uma semana

Fim de restrições anunciado por diplomata americano deve beneficiar Abbas

Agencia Estado

18 Junho 2007 | 09h47

Um importante diplomata americano afirmou neste sábado, 16, que espera que Washington suspenda o embargo econômico ao governo palestino, que já dura 15 meses e proveria um importante reforço ao presidente, Mahmoud Abbas. "Espero que vamos nos engajar com este governo", disse Jacob Walles, o cônsul-geral em Jerusalém. "Acredito que no começo da próxima semana. Haverão alguns anúncios em Washington, especificamente sobre nossa assistência e sobre as regulamentações financeiras". "Eu acho... que não haverá obstáculos, economicamente e politicamente, em termos de retomar com o governo (apontado por Abbas). Sim, eles terão apoio total", disse Walles. Os Estados Unidos e outros membros do "quarteto" de pacificadores do Oriente Médio impuseram sanções no ano passado, após a vitória legislativa do Hamas. Ele acrescentou que Washington e seus parceiros no chamado Quarteto de mediadores para o Oriente Médio - que inclui União Européia, Rússia e a Organização das Nações Unidas - farão anúncios na próxima semana sobre retirar as sanções econômicas impostas desde que o Hamas chegou ao poder, em março de 2006. Em um comunicado, o Quarteto manifestou apoio a Abbas e preocupação sobre as condições humanitárias em Gaza, mas não disse nada sobre o embargo. Após investirem e dominarem toda a Faixa de Gaza, a facção foi expelida do governo por Abbas, que está formando um novo governo que não incluirá membros do grupo islâmico. Walles afirmou que o governo Bush quer iniciar o fornecimento de assistência financeira "significativa" aos palestinos, para o desenvolvimento econômico e para as forças de segurança de Abbas. "É prematuro entrar em detalhes agora", ponderou. Matéria ampliada às 15h27 para acréscimo de informações

Mais conteúdo sobre:
Gaza Oriente Médio Abbas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.