Sandinistas e conservadores alegam fraude na Nicarágua

Apesar do consenso sobre a vitória eleitoral do candidato conservador à presidência, Enrique Bolaños, políticos, tanto da frente opositora FSLN/Convergencia, como do governante PLC, reclamaram nesta terça-feira perante o Conselho Supremo Eleitoral (CSE) que os votos de seus deputados estão sendo roubados pelos adversários.Juan José Ubeda, fiscal da FSLN (Frente Sandinista de Libertação Nacional), queixou-se, nesta terça-feira, de que fiscais do PLC (Partido Liberal Constitucionalista) se reuniram com o presidente do CSE, José Rivas, para supostamente "alterar as cifras das eleições de deputados". Ubeda e o candidato a deputado conservador Ernesto Leal disseram em separado à imprensa que rejeitarão o que o CSE disser até que o grupo nacional Ética e Transparência e a Organização dos Estados Americanos (OEA) divulguem seus resultados."Estamos de acordo com os resultados relativos às eleições presidenciais. Mas não aceitamos a contagem dos votos para deputado", afirmou Ubeda. Por sua vez, Leal disse ter pedido "aos observadores da OEA, do Centro Carter, da União Européia... e de outros organismos internacionais que não se retirem do país até que o assunto seja esclarecido".Os sandinistas alegam ter ganho até 46 cadeiras no Legislativo, enquanto os governistas do PLC dizem ter obtido até 54. Mas a Assembléia Nacional tem apenas 90 cadeiras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.