Sandinistas vencem eleições parlamentares na Nicarágua

A Assembléia Legislativa da Nicarágua será liderada pela Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN), mas sem maioria, segundo o último relatório oficial com os resultados das eleições de domingo. Apuradas 91,56% das urnas, a FSLN tem 37,59% dos votos para deputados nacionais, 37,90% para deputados departamentais e 37,70% para o Parlamento Centro-Americano (Parlacen). O Conselho Supremo Eleitoral (CSE) informou que o segundo lugar é da Aliança Liberal Nicaragüense (ALN), com 26,72% dos votos para deputados nacionais, 26,66% para deputados departamentais e 26,87% para o Parlacen. Em terceiro lugar, segundo os dados oficiais, está o Partido Liberal Constitucionalista (PLC), com 26,47% para deputados nacionais, 26,46% para deputados departamentais e 26,51% para o Parlacen. O quarto lugar é do Movimento Renovador Sandinista (MRS) com 8,69% para deputados nacionais, 8,42% para deputados departamentais e 8,35% para o Parlacen. De acordo com projeções extra-oficiais, a FSLN obteria entre 35 e 37 deputados no Parlamento nacional, enquanto ALN e PLC teriam entre 24 e 26. Os dissidentes sandinistas obteriam sete ou oito cadeiras. O Parlamento nacional é formado por 90 deputados, mais o candidato à Presidência que ficou em segundo lugar nas votações, o dissidente liberal Eduardo Montealegre, e o atual presidente da Nicarágua, Enrique Bolaños. Para aprovar leis ordinárias é necessária maioria simples, ou seja, a metade mais um dos deputados nacionais (47). Para reformar a Constituição é preciso ter maioria qualificada: 56 legisladores. Atualmente, os sandinistas contam com 39 deputados; o PLC, 41; a ALN, 9; e a Alternativa pela Mudança, 1.

Agencia Estado,

08 Novembro 2006 | 00h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.