Sandra Bullock e Madonna anunciam doações ao Haiti

A atriz Sandra Bullock anunciou, nesta sexta-feira, que doou US$ 1 milhão para ajudar às vítimas do terremoto que atingiu o Haiti na terça-feira. A cantora Madonna doou US$ 250 mil. Outras celebridades também se mobilizaram.

AE-AP, Agencia Estado

16 de janeiro de 2010 | 13h31

A contribuição da atriz foi feita para a organização Médicos Sem Fronteiras e suas operações emergenciais em Porto Príncipe. "Queria me assegurar de que minha doação será usada de forma imediata para atender às necessidades do povo haitiano, afetado por essa terrível catástrofe", afirmou Sandra em comunicado.

Madonna fez a doação para a Partners In Health, entidade que atua na empobrecida nação caribenha há anos. "Convido todos meus amigos e fãs no mundo a igualar minha contribuição ou doar de qualquer forma possível", disse ela. "Temos de agir agora."

Horas antes, o grupo de assistência humanitária Not On Our Watch, fundado por George Clooney, Brad Pitt e outros, doou US$ 1 milhão ao Partners in Health. A Cruz Vermelha Internacional estima o número de mortos entre 45 mil e 50 mil.

Ao mesmo tempo, em Porto Príncipe, o presidente do Haiti, René Préval, pediu neste sábado que os doadores internacionais coordenem melhor os esforços para ajudar o país, após o violento terremoto. Préval solicitou também que as outras nações não briguem entre si.

Na capital haitiana, aumentavam os sinais de tensão no aeroporto internacional, em parte pela dificuldade de doações e também pelas equipes que tentam chegar ao país. O aeroporto local está sob controle de autoridades norte-americanas. "Essa é uma situação extremamente difícil, portanto devemos nos manter tranquilos para a coordenação e não acusarmos um ao outro", disse Préval a repórteres, após reunir-se com o embaixador norte-americano e outras autoridades. O líder haitiano não citou nenhum país especificamente. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Haititerremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.