Santo Sudário é uma falsificação, afirma grupo italiano

O Santo Sudário, famosa mortalha que, segundo a tradição cristã, teria envolvido o corpo de Jesus Cristo, não passa de uma fraude. A conclusão foi comunicada hoje por um grupo italiano especializado em derrubar mitos.

AE-AP, Agencia Estado

05 de outubro de 2009 | 17h52

A chamada Comissão de Inspeção de Alegações de Paranormalidade, um grupo italiano, assegurou hoje que cientistas conseguiram reproduzir a mortalha recorrendo a materiais e métodos disponíveis no século 14.

A comissão anunciou dispor de evidências suficientes para afirmar que o sudário não passa de uma falsificação medieval. Em 1988, cientistas usaram o radioisótopo de carbono 14 para determinar que a mortalha datava de algum momento entre os séculos 13 e 14.

No entanto, a polêmica persistiu porque os especialistas não haviam sido capazes de explicar como fora produzida a imagem.

O manto em questão revela a imagem borrada de um homem com sinais de crucificação. Os católicos creem que a imagem de Cristo ficou registrada nas fibras da mortalha no momento de sua ressurreição.

Tudo o que sabemos sobre:
religiãoSanto Sudáriofalsificação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.