Luis Acosta/AFP Photo
Luis Acosta/AFP Photo

Santos agradece Nobel da Paz e dedica prêmio aos negociadores do governo e das Farc

Ex-presidente colombiano Álvaro Uribe parabenizou sucessor pela vitória; chefe da guerrilha disse que único prêmio que grupo almeja é a paz

Fernanda Simas, O Estado de S.Paulo

07 Outubro 2016 | 10h08

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, agradeceu nesta sexta-feira, 7, por vencer o prêmio Nobel da Paz 2016, e dedicou vitória aos negociadores do governo e das Forças Armadas Revolucionáras da Colômbia (Farc), que discutiram o atual acordo de paz por quatro anos em Havana, Cuba, e continuam realizando negociações após a vitória do "não" ao acordo em plebiscito realizado no domingo.

“Colombianos, esse prêmio é de vocês”, afirmou o presidente Santos em declaração feita após saber que havia vencido o prêmio deste ano. “Essa manhã muito cedo meu filho Martín me acordou para me contar a decisão”, acrescentou.

“Não recebo esse prêmio em meu nome, mas em nome de todos os colombianos, em especial em nome das milhões de vítimas desse conflito”, afirmou o presidente, que ressaltou que a decisão desta sexta-feira lhe dá forças para seguir buscando a paz. “A paz está perto, a paz é possível, é a hora da paz.”

Reações. O ex-presidente da Colômbia Álvaro Uribe, líder da campanha pelo "não" no plebiscito sobre o acordo de paz com as Farc, parabenizou seu sucessor pelo prêmio. "Parabenizo o presidente Santos pelo Nobel, desejo que leve a mudar acordos prejudiciais para a democracia", escreveu Uribe em sua conta no Twitter, em sua primeira reação sobre o prêmio. 

O chefe máximo das Farc, Rodrigo Londoño, mais conhecido como "Timochenko", disse que o único prêmio que a guerrilha almeja é a paz, em referência ao Nobel dado a Santos. "O único prêmio a que aspiramos é da paz com justiça social para a Colômbia sem paramilitarismo, sem retaliações nem mentiras", escreveu Timochenko em seu Twitter. 

O presidente do Brasil, Michel Temer, comemorou a concessão do Nobel da Paz ao seu colega colombiano e a considerou como "um justo reconhecimento a seus esforços em favor da paz".

Temer parabenizou Santos em sua conta no Twitter, manifestando sua "alegria" pela decisão, que na sua opinião é motivo de "orgulho não só para os colombianos, mas para toda a região". /COM EFE

Mais conteúdo sobre:
ColômbiaJuan Manuel SantosFarc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.